CRESCIMENTO
 

          Os Bambozzi produzem e criam muito, já acompanhados da segunda geração (Bruno, Hugo e Augusto, os três filhos de Basílio). Aproximando-se de aparelhos elétricos e hidráulicos que despontam, Bruno, Hugo e Augusto atribuem aspecto familiar à empresa, seguindo a perspectiva e a filosofia do pai e do tio, mantendo o alicerce substancial de que os produtos eram feitos para durar a vida toda.

          Entre 1929 e 1931, Basílio e Ferdinando também representam a Agência Ford em Matão. Antes da Ford, por curto período, os dois irmãos foram agentes Chevrolet, também em Matão. Outro passo no começo da década de 1930 - e já denominada 'B.Bambozzi & Irmão Ltda' - a empresa fabrica geradores de energia elétrica, apresentando turbinas hidráulicas conjugadas ao gerador, para produzir energia elétrica em sítios, fazendas e até em pequenas cidades.

          A Bambozzi amplia mercado com produtos: máquinas de sorvete, geladeiras automáticas, geladeiras combinadas com fabricação de gelo para hospitais e hotéis, balcão frigorífico combinado; equipamentos para indústria e para fins elétricos. Há fundição de ferro, bronze e alumínio; reforma de motores a gás, gasolina, vapor, óleo cru e querosene. Mas o principal foco está na fabricação das picoleiras e geladeiras, as primeiras da América Latina.

 
PIONEIRISMO
 

          No momento em que a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) causa transtornos também ao Brasil, é proibida a importação do gás sulforoso utilizado em produtos que exigiam refrigeração. Nesse período, entra definitivamente em cena a segunda geração dos Bambozzi, mantendo características de criatividade, mas sobressaindo-se principalmente na busca pelo novo, tornando numa oportunidade aquele princípio de crise da 'Oficinas Bambozzi de B.Bambozzi & Irmão'.

          Eles fazem surgir um produto que consolidada uma marca histórica: em 1945, a Bambozzi apresenta e leva ao mercado a primeira máquina de solda elétrica fabricada na América Latina. A primeira unidade é instalada numa oficina de consertos de caminhões, em Cambará (Paraná), sob a tutela de Hugo e de seu tio, Ferdinando. Durável e robusta, a solda elétrica mantém as características de tudo que até então foi feito pelos Bambozzi.

          A Bambozzi dá um enorme salto com a invenção. A segunda geração dos Bambozzi ingressa a empresa familiar no segmento da metal-mecânica e acelera o ritmo. Surge a 'Fábrica de Máquinas Hidráulicas e Elétricas Bambozzi S/A'. Crescente, a empresa recebe outro nome no dia 11 de fevereiro de 1955: 'Bambozzi S/A Máquinas Hidráulicas e Elétricas'. Bruno, Hugo e Augusto pensam, criam, produzem e conquistam mercados pelo Brasil.

 
UMA MARCA
 

          Basílio e Ferdinando atuam em conjunto com os artífices da segunda geração, que conduz a Bambozzi a passos largos para novos e prósperos rumos. Em projeção nacional e internacional, a empresa abre mais espaço para a terceira geração da Família. A primeira exportação da Bambozzi acontece em 1956, para o México. Juntas, as três gerações acompanham a construção dos novos barracões.

          Na década de 1960, Antônio (filho de Ferdinando e proveniente da segunda geração), Bruno Filho, seu irmão Warner (filhos de Bruno) e Heder (filho de Hugo) - os três netos de Basílio – se entrelaçam e trabalham juntos. Eles ingressam numa empresa próspera, mantendo a filosofia da Família Bambozzi. Com rigor e precisão, a terceira geração Bambozzi amplia a vasta linha de produtos.

          Em 1966 desponta a primeira logomarca, símbolo que identificaria um nome reconhecido pela qualidade. Os produtos Bambozzi viajam pelo Brasil e outros países de quatro continentes com uma marca que passa a ser aclamada e a ser símbolo de durabilidade, o que eleva o orgulho da Família Bambozzi e dos muitos funcionários que trabalham na fábrica.

 
Página: 1 | 2 | 3 | 4