VANGUARDA
 

          Na dignidade de sua essência, a primeira indústria de Matão se constitui no primeiro grande Serviço Nacional da Indústria (Senai) da cidade, um centro de excelência propagador e difusor de inteligência em diversificados segmentos, sobretudo desde as décadas de 1950 e de 1960, quando a maioria das famílias de Matão tem algum dos seus membros trabalhando na Bambozzi. Quem não trabalha na empresa, gostaria de lá estar.

          Vanguardista, a Bambozzi valoriza o seu capital humano. A terceira geração prestigia a criação do time da empresa no início da década de 1970. Em 1975, a Sociedade Esportiva Bambozzi, sagra-se campeão regional, transformando-se na equipe base para a Sociedade Esportiva Matonense, fundada em maio de 1976, disputar a Segunda Divisão do futebol paulista daquele ano. A Bambozzi também estrutura uma banda marcial em Matão. Ambos – time e banda – integraram a Fundação Bambozzi.

 
SEM FRONTEIRAS
 

          A Bambozzi mantém seu ritmo, produz mais linhas e modelos, participando decisivamente da construção e da história do Brasil. Em 1976, a Bambozzi busca ser uma empresa mais dinâmica e por este motivo apresenta sua segunda logomarca, que se constitui no selo de destaque nas vendas nacionais e nas exportações, como as de 1977 e 1978, quando vários grupos geradores para solda em campo seguem ao Oriente Médio.

          Nos anos das décadas de 1970 e de 1980, a solda inseparável da Bambozzi está presente num país que vê seu parque industrial e suas obras de infra-estrutura expandirem bastante. A marca Bambozzi - sempre parceira do progresso no Brasil - ingressa em outros países. Em 1982, a Bambozzi conquista 20% do mercado de soldas no México. Não há fronteiras para a marca Bambozzi, presente até no Pólo Norte.

 
REINVENÇÃO
 

          Na década de 1990, num mundo repleto de mudanças, o mercado passa a exigir produtos com tecnologia. Esse cenário de muitas dificuldades faz emanar oportunidades e a Bambozzi entra em processo de reformulação interna, percebendo que o tempo é de olhar para dentro, corrigir rotas, traçar objetivos e manter a essência.

          Graças ao empenho de proprietários, diretores, gerentes e colaboradores - sem distinção - a batalhadora Bambozzi supera obstáculos e continua sendo referência, tanto que em 1999, na instalação do Gasoduto Brasil-Bolívia, a Bambozzi se faz presente com produtos já modernos. No final do Século 20, a Bambozzi sabe que precisa se reinventar para um novo milênio.

 
Página: 1 | 2 | 3 | 4