Cortes devem envolver redução de subsídios financeiros, diz Mantega
10/11/2014
 
SÃO PAULO (Reuters) - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, sinalizou nesta sexta-feira uma redução no papel que os bancos públicos vêm desempenhando na política econômica e afirmou que os cortes de despesas em estudo pelo governo devem envolver a redução de subsídios financeiros.

Falando a jornalistas depois de fazer uma apresentação em evento em São Paulo, Mantega citou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social como um exemplo de onde poderia ocorrer essa redução. O BNDES tem uma série de programas de financiamento com juros abaixo da taxa básica Selic, incluindo a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) e recebido injeções de recursos do Tesouro Nacional.

O ministro disse que o papel dos bancos públicos no crédito é "fundamentalmente" anticíclico e lembrou que na fase mais aguda da crise financeira internacional, o crédito privado secou e foi preciso que os bancos públicos assumissem um protagonismo.

Mantega ressaltou, no entanto, que espera que a partir de um novo ciclo de crescimento os bancos privados liberem mais crédito e os públicos não precisem ser tão ativos nessa área. Ele insistiu que não é uma estratégia do governo uma maior participação dos bancos públicos no crédito e sim uma questão de política anticíclica.

Os comentários do ministro ocorrem em um quadro de profunda deterioração das contas públicas, com déficit primário recorde em setembro. O governo precisa revisar sua meta de superávit primário para este ano e deve fazer o mesmo para 2015. Mesmo assim, serão necessários cortes de despesas para equilibrar as contas.

Em sua apresentação, o ministro disse que o desafio agora é "fazer a transição para a economia pós-políticas anticíclicas", em preparação para um novo ciclo de expansão da economia mundial e brasileira.

"A estratégia macroeconômica para iniciarmos esse novo ciclo de expansão é um ajuste tanto da política fiscal quanto da política monetária", disse.

"Do ponto de vista da política fiscal temos que caminhar para um aumento gradual do primário, em relação ao resultado de 2014", acrescentou. "Para isso nós temos agora que fazer uma redução das despesas, uma redução importante das despesas."

Mantega disse que também é preciso recuperar a receita e lembrou que com uma recuperação da atividade econômica, cujas condições "estão dadas" segundo ele, isso ocorrerá naturalmente.

Do lado da política monetária, o ministro disse que o objetivo é "uma convergência ao centro da meta", de 4,5 por cento, apontando a seca deste ano como uma fator de pressão sobre os preços dos alimentos e as tarifas de energia.

Perguntado sobre o impacto na inflação do aumento dos combustíveis anunciado pela Petrobras na noite de quinta-feira, Mantega disse ele deve ficar ao redor de 0,1 ponto percentual.

Autor: Reuters

 
 
 
 
Cuidado com as mídias sociais: seu futuro empregador está de olho
leia mais
Mais de 3,5 mil acreanos já caíram na malha fina do IRPF 2015, diz Receita
leia mais
Indústria recua 0,8% em março, a menor taxa para o mês desde 2006
leia mais
Confiança da indústria atinge menor nível mensal desde outubro de 2005
leia mais
Vendas no varejo recuam 3,1% em fevereiro, a maior queda desde 2003
leia mais
Governo retoma PIS/Pasep e Cofins sobre ganhos de 80 mil empresas
leia mais
Veja 10 'bobagens' que contribuintes declaram no Imposto de Renda
leia mais
FMI diz que fraqueza do real é positiva para economia brasileira
leia mais
Comercialização de soja safra 14/15 chega a 60% em MT, diz Imea
leia mais
Receita começa a pagar restituições do Imposto de Renda em 15 de junho
leia mais
Inflação perde força na maioria das capitais, aponta FGV
leia mais
Em janeiro, IBGE prevê safra 4,4% maior que a de 2014
leia mais
Risco de faltar energia no SE e CO sobe para 7,3%, diz governo
leia mais
Criação de empregos formais cai 64% em 2014, para 396,9 mil vagas
leia mais
Produção de máquinas agrícolas caiu 17,9% em 2014
leia mais
Governo sobe IOF sobre crédito, tributos na importação e combustíveis
leia mais
Novas regras de benefícios vão afetar jovens e informais, diz economista
leia mais
Puxado por alimentos, IPC-S acelera na 1ª medição de dezembro
leia mais
IGP-M acelera alta a 0,98 em novembro, diz FGV
leia mais
Preço da energia sobe e pressiona inflação pelo IPC-S em novembro
leia mais
Dólar cai mais de 3% ante real e volta a R$2,38, após eleições
leia mais
'Prévia do PIB' tem expansão de 1,5% em julho, maior alta mensal em 6 anos
leia mais
Indústria vive 'um dos piores momentos da história', diz CNI
leia mais
Faturamento dos pequenos negócios de SP cresce 0,8%, pior índice em 5 anos
leia mais
Agricultores de SP fazem festa para comemorar a safra da uva
leia mais