Conta de luz já está 28% mais cara do que logo após MP para reduzir preços
11/11/2014
 

A conta de luz já é 28% mais cara do que o valor registrado logo após a entrada em vigor da MP 579, de janeiro de 2013, que decretou corte médio de 20% na tarifa de energia. O preço de novembro, que está em R$ 353 o Megawatt-hora, também supera em 4% o anterior à edição da MP.

Os dados são da PSR Consultoria e foram apresentados nesta sexta-feira (7) em seminário sobre energia elétrica no Rio. Os valores não consideram incidência de ICMS e de Pis/Confins.

Para o ano que vem, a consultoria prevê que a tarifa ficará 27% mais cara, em R$ 447 Megawatt-hora, considerando a média de todas as distribuidoras do país em relação ao preço de novembro da tarifa residencial.

A alta é resultado do acionamento mais intenso das usinas termelétricas, devido à estiagem, do aumento dos preços da energia elétrica no mercado livre, onde as distribuidoras compram parte da energia que vendem, e do pagamento de empréstimos feitos por essas empresas distribuidoras para estancar a crise financeira.

Reajuste

Na terça-feira (4), a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), autorizou um reajuste de 17,75% na tarifa da Light. A partir de sábado (7) os consumidores da distribuidora pagarão mais caro pela energia elétrica.

De acordo com a reguladora, 3,7 milhões de unidades consumidoras (residências, escritórios e indústrias, por exemplo) serão afetadas pela alteração de preços em 31 municípios do Rio de Janeiro.

Os aumentos, porém, são diferentes para cada modalidade de consumo.

A indústria, consumidora de alta tensão, terá um aumento maior, de 19,46%. Já os consumidores de média tensão, como centros comerciais, terão preço da luz aumentado em 19,23%.

O aumento concedido à empresa de distribuição foi justificado pelo elevado custo que a Light teve, no último ano, para comprar energia, além dos gastos maiores para pagar a transmissão e os encargos setoriais. A inflação do período também reflete no aumento.

Veja, abaixo, os reajustes já autorizados pela Aneel neste ano.

SUDESTE

SÃO PAULO

Eletropaulo
6,7 milhões de residências, escritórios e indústrias em 24 municípios da região metropolitana de São Paulo, incluindo a capital.
18,06% para residências
19,93% para indústrias

Bragantina
122 mil unidades de consumo, 15 municípios (5 na região de Bragança Paulista, SP, e 10 em Minas Gerais)
14,98% para residências
14,43% para indústria

Vale Paranapanema
167 mil unidades de consumo, em 27 municípios (região de Assis)
18,98% para residências
21,31% para indústrias

CNEE (Companhia Nacional de Energia Elétrica)
mil unidades de consumo, em 15 municípios (região de Novo Horizonte e Catanduva)
16,93% para residências
16,64% para indústrias

Caiuá-D (Caiuá Distribuição de Energia)
230 mil unidades de consumo, em 24 municípios (região de Presidente Prudente)
14,42% para residências
13,39% para indústrias

Elektro
2,4 milhões de clientes em 228 cidades no interior de São Paulo e cinco no interior do Mato Grosso do Sul
35,97% para residências
41,79% para indústrias

CPFL Piratininga
1,6 milhão de unidades de consumo em 27 municípios do interior e do litoral de São Paulo
20,98% para residências
24,35% para indústrias

MINAS GERAIS

Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais)
18,2 milhões de clientes, em 774 municípios
14,24% para residências
12,41% para indústrias

Bragantina
122 mil unidades de consumo, 15 municípios (5 na região de Bragança Paulista, SP, e 10 em Minas Gerais)
14,98% para residências
14,43% para indústrias

Energisa Minas Gerais
407 mil residências em 66 municípios de Minas e do Rio de Janeiro
5,8% para residências
3,75% para indústrias e consumidores de alta tensão

RIO DE JANEIRO

Energisa Minas Gerais
407 mil residências em 66 municípios de Minas e do Rio de Janeiro
5,8% para residências
3,75% para indústrias e consumidores de alta tensão

Energisa Nova Friburgo
96 mil residências e comércios no município de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro
13,66% para residências
7,94% para indústrias e consumidores de alta tensão

Light
3,7 milhões de unidades consumidoras em 31 municípios do Rio de Janeiro
17,75% para residências
19,46% para consumidores de alta tensão
19,23% para consumidores de média tensão

ESPÍRITO SANTO

Escelsa
1,4 milhão de consumidores
24,7% para residências
21,9% para indústrias e consumidores de alta tensão

______________________________________________________________________

SUL

RIO GRANDE DO SUL

AES Sul
1,2 milhões de clientes, em 118 municípios
28,99% para residências
30,29% para indústrias

PARANÁ

Copel
4,22 milhões de clientes, em 396 municípios (3 deles apenas na área rural)
23,89% para residências
26,28% para indústrias

Cocel
Município de Campo Largo
42,02%, em média

SANTA CATARINA

Celesc
2,6 milhões de unidades consumidoras
22,7% para residências
22,4% para grandes consumidores

Iguaçu Energia
32 mil consumidores do oeste de Santa Catarina
5,86% para residências
5,75% para grandes consumidores

______________________________________________________________________

NORDESTE

PERNAMBUCO

Celpe (Companhia Energética de Pernambuco)
3,2 milhões de clientes, em todos os municípios pernambucanos
17,69% para residências
17,86% para indústrias

SERGIPE

Energisa Sergipe
630 mil clientes, em 63 municípios
12,17% para residências
11,31% para indústrias

CEARÁ

Coelce (Companhia Energética do Ceará)
Mais de 3 milhões de clientes, em 184 municípios
17,02% para residências
16,16% para indústrias

BAHIA

Coelba (Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia)
5,3 milhões de clientes, em 415 municípios
14,82% para residências
16,04% para indústrias

RIO GRANDE DO NORTE

Cosern (Companhia Elétrica do Estado do Rio Grande do Norte)
Mais de 1,2 milhão de clientes, em 167 municípios
11,40% para residências
15,78% para indústrias

PIAUÍ

Cepisa
1,1 milhão de unidades consumidoras em 224 cidades
24,93% para residências
29,14% para indústrias

ALAGOAS

Eletrobras Distribuição Alagoas
1 milhão de unidades consumidoras, em 102 municípios
30,02% para residências
37,08% para indústrias

MARANHÃO

Cemar
1,8 milhão de clientes, em 217 municípios
24,11% para residências
24,16% para indústrias

PARAÍBA

Energisa
1,3 milhão de unidades consumidoras, em 216 municípios da Paraíba
21,43% para residências
22,75% para indústrias

______________________________________________________________________

CENTRO-OESTE

GOIÁS

Celg
2,6 milhões de consumidores, em 237 municípios de Goiás
19,85% para residências
24,97% para indústrias

MATO GROSSO DO SUL

Enersul
909 mil unidades de consumo, em pelo menos 10 municípios
9,4% para residências
14,11% para indústrias

Elektro
2,4 milhões de clientes, em 228 cidades no interior de São Paulo e cinco no interior do Mato Grosso do Sul
35,97% para residências
41,79% para indústrias

DISTRITO FEDERAL

CEB
960 mil consumidores
18,38% para residências
19,9% para comércio e indústria

______________________________________________________________________

NORTE

TOCANTINS

Celtins
574 mil residências, empresas e indústrias do Tocantins
10,98% nas tarifas dos consumidores residenciais
10,43% para indústrias

PARÁ

Celpa
1,99 milhão de consumidores
34,3% para residências
36,4% para indústrias

Jari Celulose
2,5 mil consumidores próximos à sua unidade de produção no interior do Pará
5,75% de reajuste

AMAZONAS

Amazonas Energia
700 mil unidades de consumo no Amazonas
22,63% para indústrias
15,83% para residências

RORAIMA

Boa Vista Energia
Abastece Boa Vista, a capital do Estado
16,95% de reajuste médio

Companhia Energética de Roraima
Atende o interior do Estado
Reajuste médio de 54,06%

Autor: Samantha Lima

 
 
 
 
Veja as cidades que mais demitiram e as que mais contrataram em abril
leia mais
Com maior procura por vagas, salário em empregos com carteira assinada cai pela 1ª vez desde 2003
leia mais
Advogado cria solução caseira e economiza 300 litros de água no RJ
leia mais
Temor de colapso energético por falta de água aumenta procura por gerador
leia mais
Ministério Público pede suspensão da mistura de 27% de etanol na gasolina
leia mais
Guardar ao invés de consumir permite países crescerem, diz Levy
leia mais
Contas de luz sobem, em média, 23,4% no país a partir desta segunda
leia mais
Empresários e sindicalistas criticam nova alta dos juros
leia mais
Brasil deverá colher 201 milhões de toneladas de grãos em 2015, diz IBGE
leia mais
Combustíveis já sobem nesta semana
leia mais
Aneel autoriza Furnas a reforçar instalação de subestações de energia
leia mais
Gasolina pode subir mais de 8% com alta de tributo
leia mais
Número de imóveis financiados com recursos da poupança cresce só 1,6%
leia mais
Banco Mundial corta estimativa para crescimento global apesar de queda do petróleo
leia mais
Mercado reduz previsão para PIB e vê inflação em 6,56% em 2015
leia mais
Inflação vai `castigar economia` em 2015, diz Fecomercio-SP
leia mais
Com seca em SP, indústrias recorrem a 'rodízio' e piscina para estocar água
leia mais
Pela 19ª semana seguida, mercado baixa previsão de alta do PIB de 2014
leia mais
Seca provoca queda na produção de café em propriedades de MG
leia mais
Confiança do consumidor de SP sobe em agosto, mas segue baixa
leia mais
Copa atrapalha comércio e indústria no 2º trimestre
leia mais
Em SP, estiagem prolongada afeta a safra da cana-de-açúcar
leia mais
Busca do consumidor por crédito cai 2,5% no semestre, diz Boa Vista SCPC
leia mais
BC prevê 14% de alta nos preços da energia elétrica neste ano
leia mais
Seca prejudica agricultura de SP e lavouras não se desenvolvem
leia mais