'Prévia' do PIB aponta crescimento de 0,6% no terceiro trimestre
18/11/2014
 
A economia brasileira saiu da "recessão técnica" dos dois primeiros trimestres, e cresceu 0,6% entre julho e setembro, indicam dados do Banco Central divulgados nesta segunda-feira (17).

O Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br), criado para tentar antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), registrou expansão de 0,59% no terceiro trimestre deste ano, na comparação com os três meses anteriores. Trata-se da maior expansão desde o segundo trimestre de 2013 – quando o indicador avançou 1,47%.

O resultado oficial do PIB do terceiro trimestre, porém, será conhecido somente no dia 28 de novembro, quando será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O PIB corresponde à soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país.

Mês de setembro
Somente em setembro, ainda de acordo com informações do BC, a prévia do PIB cresceu 0,4%. Segundo números revisados, teria crescido 0,2% em agosto e 1,47% em julho deste ano.

Para o Banco Central, a economia brasileira registrou, em setembro, o terceiro mês consecutivo de crescimento. O último mês que o IBC-Br teve retração foi no final do segundo trimestre, em junho, quando houve queda de 1,49%.

Acumulado deste ano
Apesar da recuperação no terceiro trimestre deste ano, o resultado parcial deste ano mostra estagnação do nível de atividade. De acordo com o Banco Central, o crescimento da "prévia" do PIB, no acumulado de janeiro a setembro deste ano, foi zero. Neste caso, a comparação foi feita sem ajuste sazonal. Já no acumulado de 12 meses até setembro, a prévia do PIB registrou alta 0,60%.

O mercado financeiro acredita que o Produto Interno Bruto terá crescimento de 0,21% neste ano. A estimativa oficial do governo, até o momento, é de uma alta de 0,9%, mas este número poderá ser revisto para baixo ainda neste mês. A última previsão do Banco Central, para o crescimento da economia brasileira neste ano, divulgada no fim de setembro, é de 0,7%.

Resultados do IBC-Br x PIB
O IBC-Br foi criado para tentar ser um "antecedente" do PIB. O índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos. Os últimos resultados do IBC-Br, porém, não têm mostrado proximidade com os dados oficiais do PIB, divulgados pelo IBGE.

Em 2012, por exemplo, o IBC-Br mostrou um crescimento de 1,6%. Posteriormente, o resultado oficial do PIB mostrou uma alta menor, de 1%. O mesmo aconteceu em divulgações trimestrais do PIB, quando o indicador não correspondeu aos resultados oficiais do PIB – divulgados pelo IBGE.

O Banco Central já avaliou, em 2013, que o IBC-Br não seria uma medida do PIB, mesmo que tenha sido criado para tentar antecipar o resultado, mas apenas "um indicador útil" para o BC e para o setor privado. "Se o IBC-Br acertasse na mosca é que seria surpreendente", afirmou o diretor de Política Econômica da entidade, Carlos Hamilton, no fim de 2012.

IBC-Br
Antes divulgado por estados e por regiões, desde o início do ano passado o indicador passou a ser calculado com abrangência nacional.

"A estimativa do IBC-Br incorpora a produção estimada para os três setores da economia acrescida dos impostos sobre produtos, que são estimados a partir da evolução da oferta total (produção mais importações)", explicou o Banco Central.

Definição dos juros
O IBC-Br é uma das ferramentas usadas pelo Banco Central para definir a taxa básica de juros (Selic) do país. Com o menor crescimento da economia, por exemplo, teoricamente haveria menos pressão inflacionária.  Atualmente, entretanto, os juros básicos estão em 11,25% ao ano e a expectativa do mercado é de terminem este ano em 11,50% ao ano.

Pelo sistema de metas de inflação que vigora no Brasil, o BC precisa calibrar os juros para atingir as metas preestabelecidas. Quanto maiores as taxas, menos pessoas e empresas dispostas a consumir, o que tende a fazer com que os preços baixem ou fiquem estáveis.

Para 2014 e 2015, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Desse modo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país e medida pelo IBGE, pode ficar entre 2,5% e 6,5%, sem que a meta seja formalmente descumprida.

Autor: Alexandro Martello | Do G1, em Brasília

 
 
 
 
Dívida pública caiu 3,01% em abril, para R$ 2,79 trilhões, diz Tesouro
leia mais
Brasil deve cair para 8ª posição em ranking de maiores PIBs, mostra FMI
leia mais
País regride em avanço do poder de compra
leia mais
Brasil vai frear crescimento da América Latina em 2015, mostra FMI
leia mais
Mercado financeiro sobe para 8,2% a estimativa de inflação para 2015
leia mais
Pela 1ª vez, mercado financeiro prevê inflação acima de 8% em 2015
leia mais
Emprego na indústria recua 0,1% em janeiro, diz IBGE
leia mais
Economia brasileira encolheu 0,11% em janeiro, segundo o Banco Central
leia mais
Mercado sobe para 7,77% previsão de inflação deste ano e vê PIB menor
leia mais
Inflação em SP desacelera alta na última semana de fevereiro
leia mais
Receita começa hoje a receber declaração do Imposto de Renda 2015
leia mais
Prévia da inflação atinge 7,36% em 12 meses, maior nível em quase 10 anos
leia mais
Área agrícola irrigada cresceu menos no país no ano passado
leia mais
Entrega do Imposto de Renda 2015 começa em 2 de março
leia mais
O Grupo Bambozzi está presente mais uma vez no Show Rural Coopavel
leia mais
Confiança do consumidor atinge mínima histórica, aponta FGV
leia mais
Expectativa de inflação sobe com ajuste fiscal e é a maior desde 2003
leia mais
FMI reduz drasticamente projeção de crescimento do Brasil para 2015
leia mais
Nova exigência para pensão por morte começa a valer nesta quarta-feira
leia mais
Após freio em 2014, Caixa Econômica Federal estuda subir juro imobiliário
leia mais
Setor da cana pode perder até nove usinas em 2015
leia mais
Mercado baixa previsão para PIB e vê inflação no limite da meta em 2015
leia mais
Setor de máquinas do Brasil vê cenário de fraqueza no 1º semestre de 2015
leia mais
Desemprego tem a menor taxa para outubro desde 2002, diz IBGE
leia mais
Agronegócio pode ter fatia menor do PIB em 2015
leia mais