Com seca em SP, indústrias recorrem a 'rodízio' e piscina para estocar água
19/11/2014
 
Indústrias de São Paulo estão precisando se adaptar ao cenário de escassez de água no estado. Em Paulínia, a Rhodia precisou funcionar em sistema de "rodízio" de produção há cerca de três semanas. Já em Itu, a Lucenaart fez reservatórios em contêineres e piscina montável para não prejudicar o fluxo de trabalho.

O diretor do departamento de Meio Ambiente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Nelson Pereira dos Reis, afirma que as empresas menores sofrem mais com o período de seca. "Há custo envolvido. Empresas menores estão dependendo de caminhões-pipa. A perfuração de poços também tem um custo.”

É o caso da Lucenaart, que fabrica tintas para impressoras, datadores industriais, entre outros produtos. Para evitar que a produção seja impactada pela falta d'água, a empresa tem recorrido a caminhões-pipa para abastecer seus reservatórios – três contêineres com capacidade para mil litros cada um e uma piscina montável que armazena 13 mil litros. Cada caminhão com mil litros tira R$ 250 do orçamento da empresa.

"Estamos comprando água. O governo não deu satisfação para ninguém, ficamos no escuro. No mês, gasto R$ 2,5 mil com caminhão pipa. Não estava no orçamento", relata Cássio Lucena, um dos diretores da companhia. "Água da rua eu já não vejo na minha empresa tem uns 5 ou 6 meses." Ele afirma que a produção não precisou ser paralisada porque não depende de água.
Já a Rhodia, que tem 22 unidades de diferentes produtos químicos na região de Paulínia, incluiu quatro delas em um esquema de "rodízio". As unidades que tiveram a produção congelada temporariamente, segundo a empresa, “são as que utilizam maior volume de água captada do rio Atibaia para resfriar seus equipamentos”. “A empresa tem adotado esse sistema de gerenciamento de produção de acordo com a disponibilidade de água desde o início do período de estiagem mais forte na região”, diz a Rhodia em comunicado.

A empresa não divulgou estimativa de prejuízo causado pelo rodízio. Na última quinta-feira (30), foi anunciada a retomada na produção das quatro unidades atingidas, “por conta do aumento da disponibilidade de água que capta do rio Atibaia”.

A Fiesp afirma que tem crescido o número de indústrias do estado que buscam autorização para obter água de fontes alternativas, mas Reis diz há "dificuldades para obter as licenças" necessárias com o Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). O DAEE diz em nota que “analisa caso a caso os pedidos de outorga, independentemente do atual período de estiagem”.
Entre as indústrias que realizaram pedidos estão empresas das regiões de Campinas, Alto Tietê, Turvo Grande e São José dos Dourados, segundo o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp).
A Fiesp ainda não possui estimativa de prejuízos às indústrias, mas Reis afirma que a preocupação do setor é perceptível. “Dia a dia a gente está recebendo mais ligações de empresas querendo saber como é que vão ficar. No qualitativo a gente percebe um grande estresse da indústria de uma maneira geral”, diz.

Segundo dados do Ciesp e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) divulgados em julho, pesquisa com 413 indústrias do estado revelou que 54,5% delas não possuem fonte alternativa de água, enquanto 21,8% possuem. Outras 20,8% não dependem do sistema de abastecimento de água.

Outros setores
No setor de agronegócios, a seca já causou prejuízo de pelo menos R$ 30 milhões a produtores de grãos, segundo o presidente do Conselho de Logística e Infraestrutura da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Renato Pavan, por causa da paralisação da hidrovia Tietê-Paraná. Com a baixa vazão do rio em alguns trechos, cerca de 2 milhões de toneladas de grãos precisaram ser transportadas em rodovias, gerando um custo a mais de R$ 15 por tonelada ao produtor.

Há empresas de outros setores contabilizando prejuízos. A Irrigatec Paisagismo, de Osasco, viu o número de instalações de sistemas de irrigação em jardins residenciais cair de aproximadamente 80 em 2013 para apenas um em 2014. Esse tipo de serviço representa cerca de 15% do faturamento da empresa, que também instala sistemas em campos de futebol e golfe, além de prédios corporativos. 

Para reverter o quadro, a Irrigatec está procurando reforçar o oferecimento de serviços que aumentem a economia de água na irrigação, Segundo o proprietário, Danny Braz. "A gente está indo nos sistemas antigos e oferecendo reprogramação, para ter menos tempo [de irrigação], ou oferecendo reformas para gente que queira trocar por um gotejamento mais eficiente."

Em Campinas, a Sóagua, que atua no segmento de distribuição de água potável e aluguéis de caminhões-pipa, não ficou sem o recurso porque possui poço artesiano. A empresa informou que a demanda doméstica aumentou durante os dias de racionamento na cidade, mas os pedidos da indústria e do comércio, por outro lado, diminuíram por desaquecimento do comércio e da indústria na região.

Autor: Karina Trevizan | Do G1, em São Paulo

 
 
 
 
Veja as cidades que mais demitiram e as que mais contrataram em abril
leia mais
Com maior procura por vagas, salário em empregos com carteira assinada cai pela 1ª vez desde 2003
leia mais
Advogado cria solução caseira e economiza 300 litros de água no RJ
leia mais
Temor de colapso energético por falta de água aumenta procura por gerador
leia mais
Ministério Público pede suspensão da mistura de 27% de etanol na gasolina
leia mais
Guardar ao invés de consumir permite países crescerem, diz Levy
leia mais
Contas de luz sobem, em média, 23,4% no país a partir desta segunda
leia mais
Empresários e sindicalistas criticam nova alta dos juros
leia mais
Brasil deverá colher 201 milhões de toneladas de grãos em 2015, diz IBGE
leia mais
Combustíveis já sobem nesta semana
leia mais
Aneel autoriza Furnas a reforçar instalação de subestações de energia
leia mais
Gasolina pode subir mais de 8% com alta de tributo
leia mais
Número de imóveis financiados com recursos da poupança cresce só 1,6%
leia mais
Banco Mundial corta estimativa para crescimento global apesar de queda do petróleo
leia mais
Mercado reduz previsão para PIB e vê inflação em 6,56% em 2015
leia mais
Inflação vai `castigar economia` em 2015, diz Fecomercio-SP
leia mais
Conta de luz já está 28% mais cara do que logo após MP para reduzir preços
leia mais
Pela 19ª semana seguida, mercado baixa previsão de alta do PIB de 2014
leia mais
Seca provoca queda na produção de café em propriedades de MG
leia mais
Confiança do consumidor de SP sobe em agosto, mas segue baixa
leia mais
Copa atrapalha comércio e indústria no 2º trimestre
leia mais
Em SP, estiagem prolongada afeta a safra da cana-de-açúcar
leia mais
Busca do consumidor por crédito cai 2,5% no semestre, diz Boa Vista SCPC
leia mais
BC prevê 14% de alta nos preços da energia elétrica neste ano
leia mais
Seca prejudica agricultura de SP e lavouras não se desenvolvem
leia mais