Economia na região de Ribeirão seguirá fraca em 2015, diz estudo
05/01/2015
 
Dependente da produção sucroalcooleira, a economia regional se manterá fraca em 2015, mesmo com ajustes e melhora da atividade. Isso porque a crise que atinge o setor afetou diversas atividades econômicas, como o comércio, serviços, indústria e a construção civil. 

O diagnóstico é de estudo da Fundace (Fundação para Pesquisa e Desenvolvimento da Administração, Contabilidade e Economia), ligada à USP Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo). 

Sem política favorável, as usinas da região centro-sul do país registraram queda de 3% na moagem da cana na safra atual. Ribeirão é considerada uma das principais regiões produtoras de etanol e açúcar do centro-sul. 

Como efeito, as indústrias regionais, principalmente a de metal mecânica –com grande força em Sertãozinho (a 333 km de São Paulo)–, não receberam pedidos de máquinas, equipamentos ou reformas. 

Houve demissões e o consumo no comércio caiu. "Ribeirão sofre duplamente. Primeiro, por causa da queda na agricultura e depois na indústria, que é voltada para o agronegócio", disse Luciano Nakabashi, pesquisador responsável pelo estudo. 

De acordo com dados do Ministério do Trabalho e Emprego, os dez primeiros meses deste ano registraram a pior criação de vagas de emprego na agricultura nos últimos cinco anos. 

A região criou apenas 469 vagas, quase 90% a menos que nos mesmo período do ano passado. A indústria teve queda ainda maior, com o fechamento de 4.034 vagas. 

"A indústria do país todo sofre com a conjuntura econômica nacional, com alta carga tributária e custos de produção. As indústrias da nossa região ainda sofrem com a falta de mercado", disse Nakabashi. 

COMÉRCIO 

Polo de prestação de serviço e comércio da região, a economia do município de Ribeirão Preto sofreu impacto negativo da crise. 

De acordo com a Fecomércio (Federação do Comércio do Estado de São Paulo), de janeiro a setembro, a região teve um faturamento 2,7% menor do que no mesmo período do ano passado. 

O comércio fechou 381 vagas de emprego de janeiro a outubro. Já o setor de serviços abriu 4.107 vagas, o menor saldo em cinco anos. 

"Os setores de comércio e serviço incharam entre 2010 e 2012 porque apostaram no alto consumo das famílias. Mas neste ano, com a economia ruim, o consumo caiu e esses setores tiveram queda", disse Fred Guimarães, economista da Acirp (Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto). 

Até mesmo a construção civil teve queda na região. O número de vagas abertas foi quase metade do registrado no ano passado. 

Fernando Junqueira, diretor regional do SindusCon (Sindicato da Indústria da Construção Civil), disse que o setor parou de crescer e estagnou neste ano devido a crise dos demais setores. 

Para o próximo ano, os economistas disseram esperar que alterações na política econômica, como a redução dos juros e a desvalorização do dólar, devem colocar os setores da economia em uma conjuntura "mais favorável" para o crescimento. 

Autor: Folha de S. Paulo

 
 
 
 
Dólar fecha semana em alta após declarações sobre juros nos EUA
leia mais
PIB do agronegócio cresceu 0,13% em janeiro, dizem a CNA e o Cepea
leia mais
Mercado aumenta previsão de inflação, baixa de PIB e vê mais juros
leia mais
FMI passa a ver contração de 1% do PIB do Brasil em 2015, com mais inflação
leia mais
Mudanças política e tributária tornam etanol mais vantajoso para nova safra
leia mais
Crise no Brasil vai piorar antes de melhorar, diz 'Financial Times'
leia mais
Intenção de consumo das famílias cai 11,9% em março, aponta CNC
leia mais
Mercado financeiro prevê PIB menor em 2015
leia mais
Esclarecimentos sobre a economia
leia mais
Alta da taxa Selic vai influenciar nas compras a prazo
leia mais
Novas regras do seguro-desemprego já estão valendo; entenda
leia mais
Madrugada tem bloqueio de caminhoneiros também em São Paulo
leia mais
Inflação do aluguel perde força na 2ª prévia de fevereiro
leia mais
Veja quem deve declarar o Imposto de Renda 2015
leia mais
Analistas preveem PIB quase estável e inflação de 7% em 2015, diz BC
leia mais
São Paulo tem maior inflação entre capitais pesquisadas pela FGV
leia mais
Na estreia da equipe econômica, BC sobe juros a 12,25%, recorde em 3,5 anos
leia mais
Governo vai anunciar aumento de tributos nos próximos dias
leia mais
Após elevar tributos, Dilma veta correção da tabela do IR em 6,5%
leia mais
Dilma decide manter presidentes de Banco do Brasil, Caixa e BNDES
leia mais
Inflação oficial fica acima da meta pelo 4º mês seguido, diz IBGE
leia mais
Real desvalorizado estimula venda de açúcar da nova safra, diz Copersucar
leia mais
Mercado eleva previsão para inflação e PIB neste ano
leia mais
Governo quer viabilizar produção de etanol de milho no Centro-Oeste
leia mais
Receita lança 'rascunho' para facilitar declaração do Imposto de Renda
leia mais