Inflação pelo IPC-S fecha 2014 em 6,87%; veja itens que mais pesaram
05/01/2015
 
O Índice de Preços ao Consumidor-Semanal (IPC-S), que mede a inflação no varejo, fechou 2014 em 6,87%, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV).

A maior influência de alta sobre o IPC-S no ano veio de refeições em bares e restaurantes, com alta de 8,84%.

As tarifas de eletricidade residencial e o aluguel residencial também pesaram, com altas, respectivamente, de 14,74% e 7,74%.

Semanal
No fechamento de dezembro, o indicador ficou em 0,75%, quase a mesma taxa registrada na apuração anterior.

Das oito classes de despesa usadas no cálculo do IPC-S, cinco mostraram avanços menores, com destaque para o grupo habitação (de 0,8% para 0,7%). A alta da tarifa de eletricidade residencial passou de 3,24% para 2,65%.

Seguiram o mesmo comportamento os grupos educação, leitura e recreação (de 1,19% para 0,89%);
transportes (de 0,73% para 0,66%);
comunicação (de 0,58% para 0,49%);
e despesas diversas (de 0,21% para 0,2%).

Na contramão, subiram ainda mais os preços de alimentação (de 0,85% para 1,06%) e vestuário (0,62% para 0,72%).

O grupo saúde e cuidados pessoais manteve a mesma variação, de 0,52%.

Veja a variação dos preços em dezembro:
Passagem aérea: 14,7%
Gasolina: 0,17%
Tarifa de telefone móvel: 1%
Alimentos para animais domésticos: 0,83%
Laticínios: -1,65%
Roupas masculinas: 1,18%
Artigos de higiene e cuidado pessoal: 0,24%
Medicamentos em geral: 0,05%

Inflação nas capitais
Em Salvador, o índice passou de 0,57% para 0,58%;
em Brasília, de 0,55% para 0,52%;
em Belo Horizonte, de 0,47% para 0,39%;
Recife, de 0,68% para 0,66%;
Rio de Janeiro, de 1,26% para 1,19%;
em Porto Alegre, de 0,95% para 1,05%
e, em São Paulo, de 0,51% para 0,52%.

Entenda o IPC-S
Calculado semanalmente pela FGV, o IPC-S tem preços levantados nas sete principais capitais do país (Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo), para famílias com renda mensal até 33 salários mínimos. No cálculo do índice, cada capital tem peso proporcional à sua população.

Compõem o IPC-S mais de 400 produtos, em oito categorias: alimentação, habitação, vestuário, saúde, educação, transporte, comunicação e despesas diversas.

O IPC-S é calculado com base nos preços coletados nos 30 dias de cada mês, até os dias 7, 15, 24 e 30 (ou 31), comparados aos coletados no mesmo período do mês anterior.

Autor: Do G1, em São Paulo

 
 
 
 
Bovespa fecha no vermelho, após declarações sobre juros nos EUA
leia mais
Vendas no Dia do Consumidor somaram mais de R$ 200 milhões
leia mais
Governo ampliará a oferta de obras de geração de energia, diz ministro
leia mais
Medida 'acaba com o programa de desoneração da folha', diz Fiesp
leia mais
Agricultura puxa alta do PIB, mas infraestrutura limita crescimento
leia mais
Mercado prevê crescimento perto de zero e inflação acima de 7% em 2015
leia mais
Economia terá 'resultado negativo no curto prazo', diz Levy em Davos
leia mais
Economistas elevam projeção para a Selic a 12,5% em 2015
leia mais
Reajuste da gasolina eleva também o preço do etanol, mas biocombustível ainda é mais vantajoso para o consumidor
leia mais
Produção de petróleo e gás natural bate novo recorde, diz ANP
leia mais
País tem 3,5 milhões de empresas inadimplentes
leia mais
Receita de serviços sobe 5,7% em junho, diz IBGE
leia mais
Previsão do PIB cai pela 12ª semana e fica em 0,79%, diz BC
leia mais
Preços em alta compensam menor produção de café arábica em MG
leia mais
Em MG, cooperativa aluga máquinas que agilizam a colheita do café
leia mais
Alimentos ficam mais baratos, e inflação em SP desacelera, diz Fipe
leia mais
SP: empresa é multada em R$ 1 bi por contaminar funcionários
leia mais
Inflação dos produtos de verão é de 8,61% em 1 ano, aponta FGV
leia mais
Agricultores de MT esperam preços melhores e seguram a venda da soja
leia mais
Emprego na indústria fica estável em novembro e indica queda para 2013
leia mais
Inflação oficial fecha 2013 em 5,91%, diz IBGEv
leia mais
Instituições financeiras estimam crescimento em 1,95%
leia mais
BNDES aprova R$ 603,9 mi para parques eólicos no RS
leia mais
Brasil vai crescer menos da metade dos emergentes em 2014, diz FMI
leia mais
Poupança ainda ganha da renda fixa
leia mais