Após freio em 2014, Caixa Econômica Federal estuda subir juro imobiliário
16/01/2015
 
A Caixa Econômica Federal, que detém 70% do crédito imobiliário no país, estuda reajustar as taxas de juros do financiamento imobiliário, mudança que deverá ter impacto nos juros dos demais bancos e no ritmo de atividade da construção civil.

Será a primeira alteração na tabela da Caixa após um "congelamento" que durou todo o ano de 2014.

A decisão reforça o discurso da nova equipe econômica de ajuste fiscal e de redução de subsídios do governo.

Segundo a Caixa, ainda não há uma data para a mudança na tabela, apesar de alguns corretores esperarem a alteração a partir de fevereiro. O banco se limitou a dizer que faz estudos para avaliar o impacto do juro maior em sua estratégia comercial.

O reajuste nos juros da Caixa, que funcionam como um piso do mercado (o banco estatal é reconhecido por cobrar as menores taxas), deve levar as demais instituições a elevarem também os juros do empréstimo habitacional.

Apesar da alta generalizada dos juros nas demais linhas de crédito em 2014, os bancos resistiram em repassar a variação para o empréstimo imobiliário, que conta com recursos da poupança captados com pagamento de 6% ao ano mais TR.

No ano passado, a taxa Selic (juros básicos) subiu de 10% para 11,75% de janeiro a dezembro, enquanto os juros médios do financiamento imobiliário começaram em janeiro e terminaram novembro - dado mais recente - em 8,5%.

Para Octavio de Lazari, presidente da Abecip (associação das empresas de crédito imobiliário), mesmo se a Caixa subir os juros, o impacto deverá ser "marginal" na conta final dos mutuários dentro do SFH (Sistema Financeiro da Habitação), que vale para imóveis até R$ 750 mil nas principais capitais.

A mudança maior, afirma Lazari, será nos empréstimos fora do SFH, voltados para alta renda e que não contam com recurso da poupança.

BAIXA RENDA
"Um aumento nos juros significa excluir muita gente do mercado imobiliário. É o processo inverso do que aconteceu anos atrás", disse Claudio Bernardes, presidente do Secovi-SP (sindicato do mercado imobiliário).

"A medida tende a aumentar o estoque de imóveis novos, que já está alto em cidades como São Paulo, e diminuir a velocidade de vendas. As pessoas vão demorar mais para comprar o imóvel".

Apesar do estudo, a Caixa nega que vá mexer também nos juros dos empréstimos para a habitação popular, como as três linhas do programa Minha Casa, Minha Vida e os financiamentos feitos com carta de crédito do FGTS.

No Minha Casa Minha Vida, as taxas vão de 4,594% a 7,40% ao ano mais TR e, no FGTS, de 4,594% a 8,47%.

Autor: Toni Sciarretta, Douglas Gavras de São Paulo

 
 
 
 
Dívida pública caiu 3,01% em abril, para R$ 2,79 trilhões, diz Tesouro
leia mais
Brasil deve cair para 8ª posição em ranking de maiores PIBs, mostra FMI
leia mais
País regride em avanço do poder de compra
leia mais
Brasil vai frear crescimento da América Latina em 2015, mostra FMI
leia mais
Mercado financeiro sobe para 8,2% a estimativa de inflação para 2015
leia mais
Pela 1ª vez, mercado financeiro prevê inflação acima de 8% em 2015
leia mais
Emprego na indústria recua 0,1% em janeiro, diz IBGE
leia mais
Economia brasileira encolheu 0,11% em janeiro, segundo o Banco Central
leia mais
Mercado sobe para 7,77% previsão de inflação deste ano e vê PIB menor
leia mais
Inflação em SP desacelera alta na última semana de fevereiro
leia mais
Receita começa hoje a receber declaração do Imposto de Renda 2015
leia mais
Prévia da inflação atinge 7,36% em 12 meses, maior nível em quase 10 anos
leia mais
Área agrícola irrigada cresceu menos no país no ano passado
leia mais
Entrega do Imposto de Renda 2015 começa em 2 de março
leia mais
O Grupo Bambozzi está presente mais uma vez no Show Rural Coopavel
leia mais
Confiança do consumidor atinge mínima histórica, aponta FGV
leia mais
Expectativa de inflação sobe com ajuste fiscal e é a maior desde 2003
leia mais
FMI reduz drasticamente projeção de crescimento do Brasil para 2015
leia mais
Nova exigência para pensão por morte começa a valer nesta quarta-feira
leia mais
Setor da cana pode perder até nove usinas em 2015
leia mais
Mercado baixa previsão para PIB e vê inflação no limite da meta em 2015
leia mais
Setor de máquinas do Brasil vê cenário de fraqueza no 1º semestre de 2015
leia mais
Desemprego tem a menor taxa para outubro desde 2002, diz IBGE
leia mais
'Prévia' do PIB aponta crescimento de 0,6% no terceiro trimestre
leia mais
Agronegócio pode ter fatia menor do PIB em 2015
leia mais