Banco Mundial corta estimativa para crescimento global apesar de queda do petróleo
20/01/2015
 
WASHINGTON (Reuters) - O Banco Mundial reduziu nesta terça-feira (13) sua previsão de crescimento global para 2015 e no próximo ano devido a perspectivas econômicas decepcionantes para a zona do euro, Japão e Brasil, entre outras economias emergentes, que anularam o benefício de preços mais baixos do petróleo.

O Banco Mundial prevê que a economia global cresça 3% este ano, abaixo da estimativa de 3,4% feita em junho, de acordo com seu relatório semestral "Global Economic Prospects".

O crescimento do PIB mundial deve chegar a 3,3% em 2016, ante previsão de 3,5% em junho, e desacelerar para 3,2% em 2017, disse a instituição.

"A economia global está em um momento desconcertante", disse o economista-chefe do Banco Mundial, Kaushik Basu, a jornalistas. "É um momento bastante desafiador para a previsão econômica."

A economia mundial tem crescido mais lentamente do que o esperado desde a crise financeira global de 2007-2009.

O Banco Mundial disse que a perspectiva de crescimento forte separou os Estados Unidos e a Grã-Bretanha de outras nações ricas, incluindo membros da zona do euro e do Japão, que continuam a enfrentar desempenho econômico anêmico e temores de deflação.

"A economia global está rodando com um único motor... os EUA", disse Basu. "Isso não garante um quadro rosa para o mundo."

Entre os mercados emergentes, Brasil e Rússia pesaram sobre as previsões de crescimento global, assim como a China, que está desacelerando conforme se afasta de um modelo de crescimento baseado no investimento.

Assim como outros analistas, o Banco Mundial previu que a queda de cerca de 60% nos preços globais do petróleo desde junho do ano passado deve gerar um ganho líquido para a economia mundial, ao impulsionar os países importadores de petróleo.

Mas enquanto espera que os preços do petróleo fiquem baixos este ano, o Banco Mundial estimou que o choque positivo dos preços do petróleo poderá levar vários anos para alimentar sua perspectiva de crescimento, ao mesmo tempo que aumenta a volatilidade do mercado no curto prazo e reduz os investimentos em petróleo não convencional, como o xisto e o petróleo em águas profundas.

O impacto imediato de preços do petróleo mais baixos limitou-se a um aumento de 0,1 ponto percentual na perspectiva de crescimento mundial neste ano, disse o banco.

A queda dos preços do petróleo também poderia reduzir a inflação em todo o mundo. Os temores de deflação, juntamente com perspectivas mais sombrias globais e salários estagnados dos Estados Unidos, poderiam encorajar o Federal Reserve, banco central dos EUA, a aumentar as taxas de juros de forma mais lenta do que o previsto, disse Basu.

Autor: Anna Yukhananov

 
 
 
 
Veja as cidades que mais demitiram e as que mais contrataram em abril
leia mais
Com maior procura por vagas, salário em empregos com carteira assinada cai pela 1ª vez desde 2003
leia mais
Advogado cria solução caseira e economiza 300 litros de água no RJ
leia mais
Temor de colapso energético por falta de água aumenta procura por gerador
leia mais
Ministério Público pede suspensão da mistura de 27% de etanol na gasolina
leia mais
Guardar ao invés de consumir permite países crescerem, diz Levy
leia mais
Contas de luz sobem, em média, 23,4% no país a partir desta segunda
leia mais
Empresários e sindicalistas criticam nova alta dos juros
leia mais
Brasil deverá colher 201 milhões de toneladas de grãos em 2015, diz IBGE
leia mais
Combustíveis já sobem nesta semana
leia mais
Aneel autoriza Furnas a reforçar instalação de subestações de energia
leia mais
Gasolina pode subir mais de 8% com alta de tributo
leia mais
Número de imóveis financiados com recursos da poupança cresce só 1,6%
leia mais
Mercado reduz previsão para PIB e vê inflação em 6,56% em 2015
leia mais
Inflação vai `castigar economia` em 2015, diz Fecomercio-SP
leia mais
Com seca em SP, indústrias recorrem a 'rodízio' e piscina para estocar água
leia mais
Conta de luz já está 28% mais cara do que logo após MP para reduzir preços
leia mais
Pela 19ª semana seguida, mercado baixa previsão de alta do PIB de 2014
leia mais
Seca provoca queda na produção de café em propriedades de MG
leia mais
Confiança do consumidor de SP sobe em agosto, mas segue baixa
leia mais
Copa atrapalha comércio e indústria no 2º trimestre
leia mais
Em SP, estiagem prolongada afeta a safra da cana-de-açúcar
leia mais
Busca do consumidor por crédito cai 2,5% no semestre, diz Boa Vista SCPC
leia mais
BC prevê 14% de alta nos preços da energia elétrica neste ano
leia mais
Seca prejudica agricultura de SP e lavouras não se desenvolvem
leia mais