Governo vai anunciar aumento de tributos nos próximos dias
22/01/2015
 
Para reequilibrar as contas públicas e reconquistar a confiança do mercado, o geoverno Dilma Rousseff prepara para os próximos dias o anúncio de aumento de tributos.

Dilma esteve reunida nesta terça (13) com sua equipe econômica para definir detalhes das mudanças, que contemplarão a volta da Cide (tributo regulador do preço de combustível), serada desde 2012, o aumento da alíquota do PIS/Cofins de importados e a alta na tributação sobre cosméticos, segundo a Folha apurou.

"A gente não tem o objetivo de fazer um saco de maldades, um pacote, nada disso. Mas a gente vai ter que tomar algumas medidas", disse o ministro Joaquim Levy (Fazenda), durante café da manhã com jornalistas, antes da reunião com Dilma no Planalto.

Aos jornalistas ele não antecipou medidas, mas revelou que o governo pode avaliar o aumento da tributação sobre pequenas empresa prestadoras de serviço, por meio das quais trabalhadores acabam pagando uma alíquota muito inferior - em torno de 4% - de IR, em vez dos 27,5% de uma pessoa física.

"Há alguns mecanismos que, vamos dizer assim, até elevam a diminuição de pessoas que pagam imposto, à medida que sua renda é estabelecida no âmbito de empresas pessoais", disse.

"Acho que, se houvesse um sentimento nessa direção [de mudar regras do IR], primeiro haveria de tratar desses casos egrégios", completou.

No final de 2004, o então secretário da Receita, Jorge Rachid, agora reconduzido ao posto, decidiu pelo aumento da tributação dessas empresas. Após editar medida provisória com a mudança, o governo recuou.

Entre as medidas menos imediatas a serem tomadas, Levy disse que deve rever a isenção do IR em ganhos com LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) e LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio).

Segundo o titular da Fazenda, o aumento de impostos será "compatível" com o objetivo de elevar a poupança pública nos próximos anos.

Usando uma metáfora futebolística, Levy defendeu que é preciso "acertar o jogo para ter um segundo tempo bom, para sair do zero a zero" e "começar a fazer gol".

Além do corte preliminar de gastos anunciado na semana passada, o governo conta com a alta de impostos para aumentar sua credibilidade no Congresso, onde terá de aprovar os cortes definitivos no Orçamento para este ano.

A equipe econômica também espera reduzir a dívida bruta para 50% do PIB - hoje, está em 63% -, o que seria uma sinalização positiva para os agentes econômicos.

"Se a gente trabalha forte, temos que ter a ambição de chegar a um 'rating'  de A [melhor classificação de risco de uma economia]. Não há razão para o Brasil não estar entre os melhores do mundo."

ENERGIA
Levy reforçou que não haverá injeções de recursos do Tesouro para sanar a crise das distribuidoras e que esse custo será bancado pelos consumidores, nas contas de luz.

"Essa despesa pode, pela previsão legal, ser passada para o contribuinte ou para o consumidor. É menos eficiente que seja suportada pelo contribuinte", afirmou.

Sobre a Petrobras, o ministro - que provavelmente será presidente do conselho de administração da estatal - disse que a política de preços dos combustíveis deve seguir uma "avaliação empresarial". Nos últimos anos, eles foram represados para evitar pressões sobre a inflação.

Autor: Sofia Fernandes e Valdo Cruz, de Brasília

 
 
 
 
Dólar fecha semana em alta após declarações sobre juros nos EUA
leia mais
PIB do agronegócio cresceu 0,13% em janeiro, dizem a CNA e o Cepea
leia mais
Mercado aumenta previsão de inflação, baixa de PIB e vê mais juros
leia mais
FMI passa a ver contração de 1% do PIB do Brasil em 2015, com mais inflação
leia mais
Mudanças política e tributária tornam etanol mais vantajoso para nova safra
leia mais
Crise no Brasil vai piorar antes de melhorar, diz 'Financial Times'
leia mais
Intenção de consumo das famílias cai 11,9% em março, aponta CNC
leia mais
Mercado financeiro prevê PIB menor em 2015
leia mais
Esclarecimentos sobre a economia
leia mais
Alta da taxa Selic vai influenciar nas compras a prazo
leia mais
Novas regras do seguro-desemprego já estão valendo; entenda
leia mais
Madrugada tem bloqueio de caminhoneiros também em São Paulo
leia mais
Inflação do aluguel perde força na 2ª prévia de fevereiro
leia mais
Veja quem deve declarar o Imposto de Renda 2015
leia mais
Analistas preveem PIB quase estável e inflação de 7% em 2015, diz BC
leia mais
São Paulo tem maior inflação entre capitais pesquisadas pela FGV
leia mais
Na estreia da equipe econômica, BC sobe juros a 12,25%, recorde em 3,5 anos
leia mais
Após elevar tributos, Dilma veta correção da tabela do IR em 6,5%
leia mais
Dilma decide manter presidentes de Banco do Brasil, Caixa e BNDES
leia mais
Economia na região de Ribeirão seguirá fraca em 2015, diz estudo
leia mais
Inflação oficial fica acima da meta pelo 4º mês seguido, diz IBGE
leia mais
Real desvalorizado estimula venda de açúcar da nova safra, diz Copersucar
leia mais
Mercado eleva previsão para inflação e PIB neste ano
leia mais
Governo quer viabilizar produção de etanol de milho no Centro-Oeste
leia mais
Receita lança 'rascunho' para facilitar declaração do Imposto de Renda
leia mais