Analistas veem risco iminente de novos apagões
22/01/2015
 
O apagão que atingiu des Estados e o Distrito Federal na tarde desta segunda-feira (19) deve se repetir nas próximas semanas, dizem especialistas.

O aumento do consumo de energia devido ao forte calor deve continuar sobrecarregando o sistema, avalia Cristopher Vlavianos, presidente da Comerc, maior comercializadora independente de energia.

"O nível dos reservatórios está crítico e situações parecidas com essa podem ocorrer nas próximas semanas", diz.

Para o presidente da consultoria Thymos Energia, João Carlos de Oliveira Mello, novos apagões devem acontecer caso não haja uma recuperação do nível dos reservatórios até abril, quando a decisão sobre um eventual racionamento terá de ser tomada.

"A oferta [de energia] está limitada devido ao baixo nível dos reservatórios. Quando isso ocorre, as máquinas perdem potência e não conseguem gerar energia na velocidade necessária para atender a demanda. Não há alternativa, tem que cortar para proteger o sistema", afirma Mello.

O aumento da demanda sem o aumento correspondente de oferta leva a uma queda da frequência da rede elétrica e, para se proteger, o sistema se desliga automaticamente.

Foi o que aconteceu nesta segunda, quando o alto consumo de energia no pico do calor, por volta de 15h, levou ao desligamento de usinas geradoras. Para prevenir um apagão de maior proporção, o ONS solicitou às distribuidoras de energia que cortassem o fornecimento de 5% da carga do sistema.

O nível de armazenamento de água do sistema hidrelétrico no Sudeste está em 18,3%. Para evitar o risco de racionamento, esse nível precisaria chegar a 33% até abril.

"O risco de apagão, ou seja, a chance de não atingir o volume de água necessário, é de 40%", aponta Mello. "A situação está muito ruim. Está muito calor, a classe média se expandiu e comprou ar-condicionado. Essa mobilidade social também contribuiu para o problema".

Para Marcelo Parodi, sócio da comercializadora de energia Compass, a situação está no limite. "Parece que a ficha ainda não caiu para a sociedade", diz.

"Na medida em que o nível dos reservatórios cai, a capacidade do sistema de ofertar fica ainda mais limitada, aumentando riscos de apagão."

Para Luiz Pinguelli Rosa, ex-presidente da Eletrobras, é urgente a realização de campanhas de redução do consumo. "Deveria ter sido feito há um ano, mas não foi feito por razões políticas. É melhor racionar o uso do que enfrentar cortes maiores no futuro."

Outra alternativa, diz o presidente da Thymos, seria determinar que as indústrias transfiram o consumo para horários de menor demanda (à noite, por exemplo). "Mas os sindicatos não iriam gostar."

Autor: Mariana Barbosa e Joana Cunha, de São Paulo

 
 
 
 
PIB dos EUA cresce 0,8% no 1º trimestre, de acordo com 2ª estimativa
leia mais
Brasil deve colher mais uma safra recorde de grãos em 2015
leia mais
Quem perdeu prazo do Imposto de Renda pode declarar nesta segunda
leia mais
BC lança 2º conjunto de moedas comemorativas dos Jogos Rio 2016
leia mais
Veja quem pode ser declarado como dependente no Imposto de Renda
leia mais
Gasolina sobe menos, e inflação pelo IPC-S perde força em prévia de março
leia mais
Inflação em SP desacelera alta na 2ª prévia de março, mostra Fipe
leia mais
Vendas de milho da safra 14/15 de MT em fevereiro crescem ante 2014
leia mais
Mistura de etanol na gasolina sobe para 27% a partir de 16 de março
leia mais
Brasil fecha fevereiro com coleção de dados negativos e mais arrocho
leia mais
IR 2015: 7 passos para fazer fácil a declaração e receber restituição logo
leia mais
Setor de serviços cresceu 6% em 2014, diz IBGE
leia mais
Conta de luz subirá menos de 40% este ano, estima ministro
leia mais
Alta de tributo na gasolina chega antes ao preço do álcool em SP
leia mais
Entenda o que está fazendo a conta de luz subir
leia mais
Indústria não aceitará aumento da carga tributária
leia mais
Banco Mundial corta previsão do PIB do Brasil de 2,7% para 1% em 2015
leia mais
BNDES pretende impulsinar setor sucroenergético nos próximos anos
leia mais
Economia brasileira cresceu 0,15% em 2014, segundo analistas do mercado
leia mais
FecomercioSP vê saldo de operações de crédito sem crescimento em 2015
leia mais
Juros ao consumidor chegam a 44% ao ano, maior valor desde 2011, diz BC
leia mais
Com incertezas e economia 'parada', empresas buscam menos crédito
leia mais
País saiu da recessão no terceiro trimestre, indica Serasa
leia mais
Mantega diz que seu sucessor terá o desafio de fazer a economia crescer
leia mais
Inflação em São Paulo sobe para 0,37% em outubro puxada por alimentos
leia mais