Entenda o que está fazendo a conta de luz subir
27/01/2015
 
Depois de dar uma trégua para o bolso dos consumidores em 2013, as contas de luz voltaram a subir no ano passado – e esse movimento vai continuar este ano. Segundo especialistas do setor, a alta pode chegar a 40%.

Em janeiro de 2013, a presidente Dilma Rousseff aprovou uma lei para baratear as contas de luz em até 20%. Para conseguir essa redução, o governo baixou ou extinguiu encargos sobre a tarifa – entre elas a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) –, e renovou contratos de concessão de geração e transmissão de energia pagando menos pelo serviço.

Mas a economia dos consumidores não durou muito. “Traído” pela falta de chuvas desde o final de 2013, o plano começou a, ironicamente, “fazer água”: em 2014, a alta média nas contas foi de 17,3%, segundo o IBGE.
Com pouca água nos reservatórios das hidrelétricas, as distribuidoras tiveram que recorrer às usinas térmicas, que produzem energia mais cara. Para evitar a alta no ano passado, o governo autorizou empréstimos bilionários às distribuidoras no ano passado. É essa conta – entre outras – que chega este ano aos consumidores.

ENTENDA OS ITENS QUE FAZEM A CONTA SUBIR:

Reajuste
Ocorre uma vez por ano e cada uma das 63 distribuidoras do país tem a data específica definida em contrato. Autorizado pela Aneel, o reajuste busca ajustar a receita de cada concessionáriam que inclui desde previsão de arrecadação de tributos inseridos nas contas de luz até gastos com investimentos e compra de energia para atender aos consumidores.

Empréstimos às distribuidoras
Em 2014, o governo autorizou empréstimos de R$ 17,8 bilhões para cobrir gastos extras das distribuidoras com compra e energia no mercado à vista, onde o preço flutua e é mais caro. O dinheiro só durou até outubro, por isso um novo empréstimo, de R$ 2,5 bilhões, está sendo negociado para fazer frente às despesas de novembro e dezembro. Esses valores serão cobrados dos consumidores, a princípio, entre 2015 e 2017, com juros.

Se a operação não tivesse sido feita, as distribuidoras bancariam a conta num primeiro momento mas, depois, ela seria cobrada de uma vez dos consumidores, nos reajustes de 2014 e 2015. Com essa medida, portanto, o governo evitou um aumento ainda maior das contas de luz no ano passado, de eleições.

Fim do repasse à CDE
O governo suspendeu um aporte de R$ 9 bilhões, previsto no Orçamento de 2015, para a CDE, fundo que financia ações como o pagamento de indenizações a empresas do setor elétrico, subsídio às contas de luz de famílias de baixa renda e o programa Luz para Todos – e que teve sua arrecadação reduzida com o plano de 2013.

Com isso, todos os gastos previstos para a CDE neste ano serão bancados pelos consumidores, via conta de luz. O orçamento do fundo ainda está sendo calculado. No ano passado, ele foi de R$ 18 bilhões.

Revisão extraordinária
Devido à decisão do governo de não repassar mais recursos à CDE, a revisão extraordinária das tarifas terá que ser feita neste início de ano. Ela é necessária para que as distribuidoras possam começar imediatamente a arrecadar os recursos nas contas de luz. Do contrário, elas teriam que financiar essa conta, o que alegam não ter recursos para fazer, até serem ressarcidas no reajuste anual.

Em média a cada 4 anos, as distribuidoras passam por uma revisão de suas tarifas, que tem o objetivo de promover o equilíbrio econômico delas. Mas quando algum evento afeta fortemente esse equilíbrio, essas concessionárias têm direito de pedir a revisão extraordinária, ou seja, fora do prazo previsto.

Bandeiras tarifárias
Em vigor desde 1º de janeiro, esse sistema permite o repasse mensal aos consumidores de parte do gasto extra das distribuidoras com o aumento do custo da eletricidade. Antes, as distribuidoras eram obrigadas a bancar essa conta para serem ressarcidas quando do reajuste, que ocorre uma vez por ano. Esse gasto aumenta quando as distribuidoras são obrigadas, como ocorre atualmente, a comprar energia das termelétricas, por conta do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas.

O sistema também prevê que os consumidores serão informados, na conta de luz, sobre a bandeira em vigor. Se ela for verde, a tarifa não sofre nenhum acréscimo. Amarela, o aumento é de R$ 1,50 para cada 100 KWh (quilowatt-hora) consumidos. Vermelha, o consumidor paga R$ 3,00 para cada 100 KWh consumidos no mês.

Energia de Itaipu
O custo da energia produzida pela hidrelétrica de Itaipu, a maior do país, aumentou 46% neste ano. Essa alta impacta principalmente as distribuidoras do Sul e Sudeste do país, que terão que pagar em 2015 R$ 4 bilhões pela eletricidade recebida da usina e, consequentemente, vão repassar o valor aos seus consumidores.

Esse reajuste serve para cobrir o prejuízo da Eletrobras na administração da Conta Itaipu, causado por inadimplência de distribuidoras e pela necessidade da estatal de comprar energia no mercado à vista, mais cara, para compensar eletricidade que a hidrelétrica deixou de produzir.

Autor: Do G1, em Brasília

 
 
 
 
PIB dos EUA cresce 0,8% no 1º trimestre, de acordo com 2ª estimativa
leia mais
Brasil deve colher mais uma safra recorde de grãos em 2015
leia mais
Quem perdeu prazo do Imposto de Renda pode declarar nesta segunda
leia mais
BC lança 2º conjunto de moedas comemorativas dos Jogos Rio 2016
leia mais
Veja quem pode ser declarado como dependente no Imposto de Renda
leia mais
Gasolina sobe menos, e inflação pelo IPC-S perde força em prévia de março
leia mais
Inflação em SP desacelera alta na 2ª prévia de março, mostra Fipe
leia mais
Vendas de milho da safra 14/15 de MT em fevereiro crescem ante 2014
leia mais
Mistura de etanol na gasolina sobe para 27% a partir de 16 de março
leia mais
Brasil fecha fevereiro com coleção de dados negativos e mais arrocho
leia mais
IR 2015: 7 passos para fazer fácil a declaração e receber restituição logo
leia mais
Setor de serviços cresceu 6% em 2014, diz IBGE
leia mais
Conta de luz subirá menos de 40% este ano, estima ministro
leia mais
Alta de tributo na gasolina chega antes ao preço do álcool em SP
leia mais
Indústria não aceitará aumento da carga tributária
leia mais
Analistas veem risco iminente de novos apagões
leia mais
Banco Mundial corta previsão do PIB do Brasil de 2,7% para 1% em 2015
leia mais
BNDES pretende impulsinar setor sucroenergético nos próximos anos
leia mais
Economia brasileira cresceu 0,15% em 2014, segundo analistas do mercado
leia mais
FecomercioSP vê saldo de operações de crédito sem crescimento em 2015
leia mais
Juros ao consumidor chegam a 44% ao ano, maior valor desde 2011, diz BC
leia mais
Com incertezas e economia 'parada', empresas buscam menos crédito
leia mais
País saiu da recessão no terceiro trimestre, indica Serasa
leia mais
Mantega diz que seu sucessor terá o desafio de fazer a economia crescer
leia mais
Inflação em São Paulo sobe para 0,37% em outubro puxada por alimentos
leia mais