Criação de empregos formais cai 64% em 2014, para 396,9 mil vagas
27/01/2015
 
O país gerou 396.993 vagas de empregos formais em 2014, segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego nesta sexta-feira (23).

O número de empregos criados em todo ano passado representa uma queda de 64,4% em relação às vagas abertas em 2013 – que somaram 1,11 milhão. O recorde de geração de empregos formais, para um ano fechado, aconteceu em 2010, quando foram criadas 2,54 milhões de vagas.

O resultado de 2014 foi o pior para um ano, considerando a série ajustada do Ministério do Trabalho, que tem início em 2002. Na série sem ajustes, é o pior resultado desde 1999, quando foram fechadas (demissões acima de contratações) 196 mil vagas formais de trabalho, segundo números do Ministério do Trabalho.

Vagas ficaram abaixo da expectativa
O número do ano passado também ficou bem distante da estimativa do ministro do Trabalho, Manoel Dias, divulgada até meados de 2014. A previsão do ministro era de que seriam abertas, pelo menos, um milhão de vagas formais no último ano.

"Foi um ano atípico. Um ano de Copa, um ano de eleições. Um ano de crise mundial. Isso tudo certamente influenciou na criação de novos empregos", afirmou o ministro do Trabalho, Manoel Dias, nesta sexta-feira em Florianópolis (SC).

Para este ano, Dias afirmou que o resultado será positivo: "Em 2015, não haverá queda no emprego. Pode haver flutuações, mas o saldo será positivo", apontou.

Ele descartou, ainda, reflexos por conta da crise da Petrobras, afetada por denúncias de corrupção: "O Brasil não vai parar, e os empregos não vão cessar pela questão da Petrobras. Eu, se tivesse ações para investir agora, investiria na empresa, para longo prazo", afirmou.

Mês de dezembro
Somente no mês de dezembro, ainda de acordo com dados oficiais, houve o fechamento (demissões superaram contratações) de 555,5 mil empregos com carteira assinada. O mês de dezembro tradicionalmente registra demissões.

Foram fechados 555 mil empregos formais em dezembro de 2014
O ano passado, porém, registrou o pior resultado para um mês de dezembro desde 2008 – quando houve o fechamento de 655 mil postos formais de emprego. Naquele momento, a economia enfrentava a crise financeira internacional, "inaugurada" em setembro de 2008 com o anúncio de concordata do banco norte-americano Lehman Brothers.

Ano de 2014 por setores
O setor de serviços foi o que mais gerou postos de trabalho no ano passado. Foram 476.108 vagas, o que representa uma queda de 13% em relação ao número de empregos gerados em 2013 (546.917 vagas).

O comércio, por sua vez, gerou 180.814 vagas em 2014, o que representa um recuo de 40% em relação às vagas abertas em 2013 (301.095 empregos), enquanto que na administração pública foram 8.257 novos postos em 2014 – o que representa uma queda de 63,8% em relação ao patamar do ano anterior (22.841 vagas).

Na outra ponta, a indústria de transformação foi a que mais demitiu: o setor cortou 163.817 postos de trabalho. Em 2013, a indústria havia aberto 126.359 empregos com carteira assinada. Foi a primeira vez, pelo menos, desde 2002 que a indústria registrou demissões líquidas (acima do volume de contratações).

Segundo Manoel Dias, os cortes na indústria foram resultado da globalização e da falta de modernização das indústrias do país.

Construção civil cortou 106 mil vagas em 2014
Houve cortes de emprego também na construção civil (-106.476) em 2014, algo que não acontecia desde 2003, contra a abertura de 107.024 em 2013. A indústria extrativa mineral também registrou 2.348 demissões em 2014, contra a abertura de 2.680 vagas no ano anterior. A agropecuária demitiu 370 trabalhadores no ano passado, enquanto que, em 2013, tinha aberto 1.872 vagas. Pelo menos, desde 2002, a indústria extrativa mineral e a agropecuária não faziam demissões no Brasil.

"Esse comportamento demonstra a continuidade na redução do ritmo de crescimento de postos de trabalho formal, iniciada em anos anteriores. De fato, a partir de 2010, o nível de emprego formal vem apresentando um arrefecimento no ritmo de expansão de postos de trabalho", informou o Ministério do Trabalho.

Regiões do país em 2014
Segundo números oficiais, o emprego formal cresceu em todas as regiões do país no ano passado. Entretanto, o ritmo de abertura de vagas também desacelerou (cresceu menos) em quatro das cinco regiões do país em 2014.
Em 2014, a Região Sudeste 121.689 empregos com carteira assinada, em comparação com 476.495 no ano anterior. Ao mesmo tempo, a Região Sul abriu 257.275 no último ano (contra 234.355 em 2013).

A região Centro-Oeste foi responsável pela abertura de 39.335 postos formais de emprego de em 2014, em comparação com a criação de 127.767 vagas no ano anterior, enquanto que a Região Norte teve a abertura de 17.652 postos de trabalho com carteira assinada no ano passado (contra 62.318 em 2013).

A Região Nordeste, por sua vez, registrou a abertura de 99.522 empregos com carteira em 2014, contra 193.316 vagas abertas no ano anterior.

Autor: Mariana de Ávila, do G1 em Santa Catarina

 
 
 
 
Cuidado com as mídias sociais: seu futuro empregador está de olho
leia mais
Mais de 3,5 mil acreanos já caíram na malha fina do IRPF 2015, diz Receita
leia mais
Indústria recua 0,8% em março, a menor taxa para o mês desde 2006
leia mais
Confiança da indústria atinge menor nível mensal desde outubro de 2005
leia mais
Vendas no varejo recuam 3,1% em fevereiro, a maior queda desde 2003
leia mais
Governo retoma PIS/Pasep e Cofins sobre ganhos de 80 mil empresas
leia mais
Veja 10 'bobagens' que contribuintes declaram no Imposto de Renda
leia mais
FMI diz que fraqueza do real é positiva para economia brasileira
leia mais
Comercialização de soja safra 14/15 chega a 60% em MT, diz Imea
leia mais
Receita começa a pagar restituições do Imposto de Renda em 15 de junho
leia mais
Inflação perde força na maioria das capitais, aponta FGV
leia mais
Em janeiro, IBGE prevê safra 4,4% maior que a de 2014
leia mais
Risco de faltar energia no SE e CO sobe para 7,3%, diz governo
leia mais
Produção de máquinas agrícolas caiu 17,9% em 2014
leia mais
Governo sobe IOF sobre crédito, tributos na importação e combustíveis
leia mais
Novas regras de benefícios vão afetar jovens e informais, diz economista
leia mais
Puxado por alimentos, IPC-S acelera na 1ª medição de dezembro
leia mais
IGP-M acelera alta a 0,98 em novembro, diz FGV
leia mais
Preço da energia sobe e pressiona inflação pelo IPC-S em novembro
leia mais
Cortes devem envolver redução de subsídios financeiros, diz Mantega
leia mais
Dólar cai mais de 3% ante real e volta a R$2,38, após eleições
leia mais
'Prévia do PIB' tem expansão de 1,5% em julho, maior alta mensal em 6 anos
leia mais
Indústria vive 'um dos piores momentos da história', diz CNI
leia mais
Faturamento dos pequenos negócios de SP cresce 0,8%, pior índice em 5 anos
leia mais
Agricultores de SP fazem festa para comemorar a safra da uva
leia mais