Economia terá 'resultado negativo no curto prazo', diz Levy em Davos
27/01/2015
 
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse a investidores no Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que a economia brasileira deve ter um desempenho negativo no curto prazo, mas que sua equipe trabalha para recuperar a credibilidade e retomar o crescimento com velocidade.

"A economia brasileira poderá ter algum resultado negativo no curto prazo, mas é preciso lembrar que o trabalho feito é para restaurar a confiança e o país voltar a crescer", disse Levy nesta quarta (21), referindo-se a taxas do PIB e de desemprego.

"Já tentamos acelerar na quarta marcha, com incentivos e tudo isso, e vimos que não estava mais tendo tração. Quando a gente acerta as coisas em seus lugares, a retomada vem com velocidade", disse a jornalistas durante balanço de seu primeiro dia no Fórum, que reúne empresários, chefes de Estado e líderes de diversas áreas nos alpes.

"Temos de construir passo a passo. Não adianta fazer previsões ultraotimistas. Adquirindo confiança, o pessoal entra em campo."

Para Levy, investidores continuam a demonstrar interesse no Brasil.

O ministro participou de um almoço oferecido pelo Itaú Unibanco a ele e ministros de outros países, com a presença também de empresários, grande parte de companhias estrangeiras.

Para pessoas que estiveram no almoço, o ministro passou confiança.

Alguns dos presentes interpretaram a ausência de Dilma Rousseff em Davos e envio de Levy como sinalização de que a economia foi delegada, de fato, ao novo ministro.

O ministro da Fazenda da Colômbia, Mauricio Cárdenas, disse à Folha que enfatizou durante o almoço a importância da escolha e da liderança de Levy no Brasil.

"Comentaram a falta de liderança na América Latina e eu destaquei a de Levy."

O comentário "sensibilizou" o ministro, segundo duas pessoas que participaram do evento do banco.

As declarações de Levy foram bem recebidas no Brasil também. Após sua fala, os juros futuros acentuaram a trajetória de queda e o dólar recuou.

O ministro afirmou ainda que a queda do preço do petróleo não prejudica o país.

Apesar da Petrobras, "o petróleo mais barato, na média, é favorável ao Brasil", disse.

"O pré-sal já é uma realidade, e a Petrobras já produz e vai aumentar esse volume daqui a pouco para 1 milhão de barris por dia."

Levy afirmou ainda que o ministério vai tomar nos próximos meses medidas para "facilitar impostos".

"Vamos trabalhar ao máximo para antecipar essas medidas. Por enquanto, estamos arrumando o convés, arrumando a casa."

Autor: Maria Cristina Frias, enviada especial a Davos

 
 
 
 
Bovespa fecha no vermelho, após declarações sobre juros nos EUA
leia mais
Vendas no Dia do Consumidor somaram mais de R$ 200 milhões
leia mais
Governo ampliará a oferta de obras de geração de energia, diz ministro
leia mais
Medida 'acaba com o programa de desoneração da folha', diz Fiesp
leia mais
Agricultura puxa alta do PIB, mas infraestrutura limita crescimento
leia mais
Mercado prevê crescimento perto de zero e inflação acima de 7% em 2015
leia mais
Inflação pelo IPC-S fecha 2014 em 6,87%; veja itens que mais pesaram
leia mais
Economistas elevam projeção para a Selic a 12,5% em 2015
leia mais
Reajuste da gasolina eleva também o preço do etanol, mas biocombustível ainda é mais vantajoso para o consumidor
leia mais
Produção de petróleo e gás natural bate novo recorde, diz ANP
leia mais
País tem 3,5 milhões de empresas inadimplentes
leia mais
Receita de serviços sobe 5,7% em junho, diz IBGE
leia mais
Previsão do PIB cai pela 12ª semana e fica em 0,79%, diz BC
leia mais
Preços em alta compensam menor produção de café arábica em MG
leia mais
Em MG, cooperativa aluga máquinas que agilizam a colheita do café
leia mais
Alimentos ficam mais baratos, e inflação em SP desacelera, diz Fipe
leia mais
SP: empresa é multada em R$ 1 bi por contaminar funcionários
leia mais
Inflação dos produtos de verão é de 8,61% em 1 ano, aponta FGV
leia mais
Agricultores de MT esperam preços melhores e seguram a venda da soja
leia mais
Emprego na indústria fica estável em novembro e indica queda para 2013
leia mais
Inflação oficial fecha 2013 em 5,91%, diz IBGEv
leia mais
Instituições financeiras estimam crescimento em 1,95%
leia mais
BNDES aprova R$ 603,9 mi para parques eólicos no RS
leia mais
Brasil vai crescer menos da metade dos emergentes em 2014, diz FMI
leia mais
Poupança ainda ganha da renda fixa
leia mais