Na estreia da equipe econômica, BC sobe juros a 12,25%, recorde em 3,5 anos
27/01/2015
 
O Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, subiu a taxa básica de juros (Selic) em 0,5 ponto percentual, de 11,75% para 12,25% ao ano. Os juros são os maiores em três anos e meio, desde julho de 2011 (quando estavam em 12,5%). A decisão foi unânime.  A alta beneficia investimentos em renda fixa, como fundos DI, CDBs, LCIs e LCAs, segundo analistas.

É o terceiro aumento seguido: houve altas nas duas últimas reuniões, em outubro (11,25%) e dezembro de 2014 (11,75%).

Esta foi a primeira reunião do Copom no ano e com os integrantes da nova equipe econômica já em seus cargos. O aumento era esperado por analistas econômicos.

Em nota divulgada sobre a decisão, o Banco Central retirou do comunicado a expressão "parcimônia". "Avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,50 p.p. [ponto percentual], para 12,25% a.a. [ao ano], sem viés", diz o documento.

Na nota da reunião anterior, em dezembro, o Copom dizia que o "esforço adicional de política monetária tende a ser implementado com parcimônia".

O novo governo de Dilma Rousseff (PT) está adotando medidas impopulares, como aumento de impostos, com o objetivo de acertar as contas federais. Na segunda-feira (19), o novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou quatro medidas aumentando tributos em operações de crédito, combustíveis, cosméticos e importação.

Taxa de juros é ferramenta para tentar combater inflação
Uma das maiores críticas a Dilma tem sido a economia, incluindo a inflação em alta. Os juros são usados, entre outras coisas, para tentar controlar a inflação. O governo tenta recuperar confiança do mercado.

A Selic é uma taxa de referência para o mercado e remunera investimentos com títulos públicos, por exemplo. Não representa os juros cobrados dos consumidores, que são muito mais altos.

Os juros no cartão de crédito bateram o recorde em mais de 15 anos, segundo a Anefac (associação de executivos de finanças), com 258,26% ao ano (dados de dezembro de 2014). O juro médio ao consumidor nas operações de crédito em geral foi de 108,16% ao ano, também em dezembro.

A inflação oficial, medida pelo IPCA, foi de 6,41% em 2014, ficando muito perto do limite máximo da meta do governo, que é de 6,5%. A meta do BC é manter a inflação em 4,5% ao ano, mas são aceitos dois pontos percentuais para cima ou para baixo (ou seja, variando de 2,5% a 6,5%, o chamado teto da meta).

A Selic é usada pelo BC para tentar controlar o consumo e a inflação, ou estimular a economia. Quando os juros sobem, as pessoas tendem a gastar menos e isso faz o preço das mercadorias cair, controlando a inflação, em tese. Por outro lado, juros altos seguram a economia e fazem o PIB (Produto Interno Bruto) ficar baixo.

Se os juros estão elevados, as empresas investem menos, porque fica caro tomar empréstimos para produção, e as pessoas também reduzem seus gastos, porque o crediário fica mais alto. Essa situação deixa a economia com menos força. O lado bom é que investimentos baseados em juros são beneficiados e rendem mais para o aplicador.

Por outro lado, com juros mais baixos, há mais consumo e mais risco de inflação, porque as pessoas compram mais e nem sempre a indústria consegue produzir o suficiente. Quando há falta de produtos, a tendência é que eles fiquem mais caros.

Além de inflação, o país tem um crescimento muito pequeno. Segundo o IBGE, a economia brasileira, medida pelo PIB (Produto Interno Bruto), cresceu 0,1% no terceiro trimestre. Esse leve crescimento tirou o país da recessão técnica, que ocorre quando o PIB (Produto Interno Bruto) tem resultados negativos em dois trimestres seguidos.

A economia brasileira encolheu 0,6% no segundo trimestre e 0,2% no primeiro trimestre. Recessão significa redução de consumo, menos produção e risco de desemprego.

Poupança continua rendendo igual
A poupança continua rendendo com seu potencial máximo.

Uma nova regra de 2012 estabelece que ela renda menos quando a Selic estiver igual ou inferior a 8,5% ao ano. Nesse caso, a poupança daria 70% da Selic mais a TR. Como está acima disso, o rendimento é o tradicional: 6,17% ao ano mais a TR.

Entenda o Copom
O Copom foi instituído em junho de 1996 para estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros, mas a Selic já era usada como indicador desde 1986.

As reuniões do Copom ocorrem a cada 45 dias em Brasília.

O colegiado é composto pelo presidente do Banco Central e os diretores de Administração, Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos, Fiscalização, Organização do Sistema Financeiro e Controle de Operações do Crédito Rural, Política Econômica, Política Monetária, Regulação do Sistema Financeiro, e Relacionamento Institucional e Cidadania.

(Com Reuters)

Autor: Do UOL, em São Paulo

 
 
 
 
Dólar fecha semana em alta após declarações sobre juros nos EUA
leia mais
PIB do agronegócio cresceu 0,13% em janeiro, dizem a CNA e o Cepea
leia mais
Mercado aumenta previsão de inflação, baixa de PIB e vê mais juros
leia mais
FMI passa a ver contração de 1% do PIB do Brasil em 2015, com mais inflação
leia mais
Mudanças política e tributária tornam etanol mais vantajoso para nova safra
leia mais
Crise no Brasil vai piorar antes de melhorar, diz 'Financial Times'
leia mais
Intenção de consumo das famílias cai 11,9% em março, aponta CNC
leia mais
Mercado financeiro prevê PIB menor em 2015
leia mais
Esclarecimentos sobre a economia
leia mais
Alta da taxa Selic vai influenciar nas compras a prazo
leia mais
Novas regras do seguro-desemprego já estão valendo; entenda
leia mais
Madrugada tem bloqueio de caminhoneiros também em São Paulo
leia mais
Inflação do aluguel perde força na 2ª prévia de fevereiro
leia mais
Veja quem deve declarar o Imposto de Renda 2015
leia mais
Analistas preveem PIB quase estável e inflação de 7% em 2015, diz BC
leia mais
São Paulo tem maior inflação entre capitais pesquisadas pela FGV
leia mais
Governo vai anunciar aumento de tributos nos próximos dias
leia mais
Após elevar tributos, Dilma veta correção da tabela do IR em 6,5%
leia mais
Dilma decide manter presidentes de Banco do Brasil, Caixa e BNDES
leia mais
Economia na região de Ribeirão seguirá fraca em 2015, diz estudo
leia mais
Inflação oficial fica acima da meta pelo 4º mês seguido, diz IBGE
leia mais
Real desvalorizado estimula venda de açúcar da nova safra, diz Copersucar
leia mais
Mercado eleva previsão para inflação e PIB neste ano
leia mais
Governo quer viabilizar produção de etanol de milho no Centro-Oeste
leia mais
Receita lança 'rascunho' para facilitar declaração do Imposto de Renda
leia mais