Número de imóveis financiados com recursos da poupança cresce só 1,6%
27/01/2015
 
Os financiamentos imobiliários com recursos da poupança viabilizaram a compra e construção de 538,3 mil unidades do ano passado, um crescimento de apenas 1,6% na comparação com 2013.

A quase estabilidade ocorre em um cenário de desaceleração da economia e desaquecimento do mercado imobiliário no país.

O percentual financiado dos imóveis aumentou de 64,9% para 65,4% de 2013 para 2014. Em 2010, por exemplo, esse percentual era de 62%. Na maioria dos bancos, o limite máximo permitido para financiamento é 80% do preço do imóvel, podendo chegar a 90% em algumas linhas de crédito.

Em valor, o crescimento dos empréstimos chegou a 3,4% devido ao aumento de preços. Os financiamentos somaram R$ 112,9 bilhões no ano passado, a maior marca já registrada, segundo a Abecip (Associação das Empresas de Crédito).

"O crédito imobiliário está mais maduro no Brasil. Não vamos - e não é saudável nem desejável - crescer mais 30% ao ano, como no passado. Nos melhores anos, talvez cresceremos 10%", disse Octavio de Lazari, presidente da associação.

NOVOS E USADOS

O melhor desempenho foi dos empréstimos para imóveis novos, que somaram R$ 35,3 bilhões - 27% maior do que no ano anterior. Por outro lado , os financiamentos para imóveis usados caiu 6% - desceu de R$ 49 bilhões para R$ 46,2 bilhões.

Segundo Lazari, a retração nos financiamentos de imóveis usados é mais sensível à queda na confiança do consumidor ao longo de 2014.

Para 2015, o setor espera repetir o crescimento de 5% dos financiamentos, levando-os ao patamar de R$ 119 bilhões.

INADIMPLÊNCIA

A inadimplência do crédito imobiliário caiu em 2014, ficando em 1,3% dos financiamentos com alienação fiduciária (bem fica em nome do banco) e de 1,4% contando as hipotecas. Em 2013, os atrasos eram 1,4% e 1,7% respectivamente.

"O financiamento imobiliário é o crédito mais saudável do país. Por isso, é também o mais disputado pelos bancos", disse Lazari.

JUROS

A Caixa Econômica Federal, que detém 70% do crédito imobiliário no país, reajustou as taxas de juros das operações para financiamento de imóveis residenciais contratadas com recursos da poupança.

A nova taxa começou a ser aplicada aos imóveis financiados a partir de segunda-feira (19). A Caixa afirmou que elevou as taxas por causa do aumento da taxa básica de juros, a Selic.

Nos financiamentos feitos pelo SFH (Sistema Financeiro Habitacional), a taxa balcão - para clientes sem relacionamento com o banco (quem é correntista, por exemplo), os juros subiram de 8,75% para 9%.

Já para imóveis negociados pelo SFI (Sistema de Financiamento Imobiliário), a taxa balcão subiu de 9,20% para 11%; para clientes com relacionamento, o juro passou de 9,10% para 10,70%.

Para as propostas de financiamento aprovadas até sexta-feira (16), as taxas continuam nas condições anteriores.

Segundo o banco, as taxas dos financiamentos contratados com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), que incluem os do programa Minha Casa, Minha Vida, não sofrerão reajuste.

Autor: Toni Sciarretta, de São Paulo

 
 
 
 
Veja as cidades que mais demitiram e as que mais contrataram em abril
leia mais
Com maior procura por vagas, salário em empregos com carteira assinada cai pela 1ª vez desde 2003
leia mais
Advogado cria solução caseira e economiza 300 litros de água no RJ
leia mais
Temor de colapso energético por falta de água aumenta procura por gerador
leia mais
Ministério Público pede suspensão da mistura de 27% de etanol na gasolina
leia mais
Guardar ao invés de consumir permite países crescerem, diz Levy
leia mais
Contas de luz sobem, em média, 23,4% no país a partir desta segunda
leia mais
Empresários e sindicalistas criticam nova alta dos juros
leia mais
Brasil deverá colher 201 milhões de toneladas de grãos em 2015, diz IBGE
leia mais
Combustíveis já sobem nesta semana
leia mais
Aneel autoriza Furnas a reforçar instalação de subestações de energia
leia mais
Gasolina pode subir mais de 8% com alta de tributo
leia mais
Banco Mundial corta estimativa para crescimento global apesar de queda do petróleo
leia mais
Mercado reduz previsão para PIB e vê inflação em 6,56% em 2015
leia mais
Inflação vai `castigar economia` em 2015, diz Fecomercio-SP
leia mais
Com seca em SP, indústrias recorrem a 'rodízio' e piscina para estocar água
leia mais
Conta de luz já está 28% mais cara do que logo após MP para reduzir preços
leia mais
Pela 19ª semana seguida, mercado baixa previsão de alta do PIB de 2014
leia mais
Seca provoca queda na produção de café em propriedades de MG
leia mais
Confiança do consumidor de SP sobe em agosto, mas segue baixa
leia mais
Copa atrapalha comércio e indústria no 2º trimestre
leia mais
Em SP, estiagem prolongada afeta a safra da cana-de-açúcar
leia mais
Busca do consumidor por crédito cai 2,5% no semestre, diz Boa Vista SCPC
leia mais
BC prevê 14% de alta nos preços da energia elétrica neste ano
leia mais
Seca prejudica agricultura de SP e lavouras não se desenvolvem
leia mais