Madrugada tem bloqueio de caminhoneiros também em São Paulo
24/02/2015
 
O protesto dos caminhoneiros voltou nesta terça-feira (24) a bloquear trechos de rodovias em várias cidades do país e chegou a São Paulo na madrugada. Ao menos dez caminhoneiros fecharam por 20 minutos a rodovia Presidente Dutra no sentido São Paulo, próximo à cidade de Guarulhos. Segundo a PRF (Polícia Rodoviária Federal), a interdição provocou uma lentidão de 2 Km.

As manifestações são contra a alta dos preços dos combustíveis, dos pedágios e dos valores dos tributos sobre o transporte.

Em Arapongas (PR), os caminhoneiros continuavam parados às 10h50 desta terça-feira (24). Eles afirmam que estão lá desde as 9h de domingo.

Em Minas Gerais, os caminhoneiros protestam em sete pontos da rodovia Fernão Dias (BR-381). Por causa da paralisação, os motoristas que trafegam no sentido São Paulo encontram trechos de lentidão entre os quilômetros 616 ao 617, 676 ao 677 e do 496 ao 513.

No sentido Minas, ocorrem trechos de lentidão entre os quilômetros 681 ao 677, 637 ao 636, 521 ao 513 e do 622 ao 617.

Também foram registradas interdições em outras duas rodovias mineiras. Na BR-381, os bloqueios ocorrem próximo às cidades de Igarapé e Oliveira Perdões. Já na BR-040, os manifestantes realizam bloqueios próximo das cidades de Nova Lima e Contagem.

No Rio Grande do Sul, os motoristas encontram pontos de bloqueios em oito rodovias federais nesta manhã. Na BR-472 é registrado bloqueio próximo à cidade de Boa Vista do Buricá e na BR-293 a interdição é na cidade de Candiota.

Na rodovia BR-116, são registrados bloqueios nas cidades de Capão do Leão, Seberi e Camaquã. Já na BR-285 os motoristas enfrentam dois bloqueios próximos ao município de Ijuí.

Quem trafega pela BR-158 encontra três bloqueios dos manifestantes, dois deles perto da cidade de Cruz Alta e um em Carazinho. Também há registros de protestos de motoristas que prejudicam o trânsito na BR-468, em Palmeira das Missões; dois pontos da BR-392 na cidade de Pelotas; uma interdição na BR-386, em Sarandi.

EVOLUÇÃO

Apesar de não ter uma liderança unificada e pauta conjunta, o movimento, que começou na semana passada, ganhou força e amplitude nacional nesta segunda (23).

Rodovias no Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais foram bloqueadas, causando prejuízo a produtores rurais e indústrias dessas regiões.

As principais queixas dos caminhoneiros são o aumento no preço do diesel e dos pedágios, o que impacta os custos de transporte em um cenário desfavorável para reajustes nos preços dos fretes.

Além da crise econômica, os preços das commodities agrícolas, primordialmente transportadas por caminhões, estão em queda, dificultando as negociações para um aumento no valor pago pelo transporte das cargas.

Em um ano, o preço do frete de Sorriso (MT) a Santos (SP), uma das principais rotas da soja, caiu 27%, para R$ 230 por tonelada na semana passada, segundo o Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária).

E o avanço da safra de soja, em plena colheita, seria um estímulo à realização dos protestos neste momento, devido à maior visibilidade.

A mudança no quadro macroeconômico e de custos se tornou mais preocupante com o cenário de elevado endividamento no setor.

Estimulados pelo PSI - programa do BNDES de incentivo à compra de caminhões novos -, muitos motoristas estão endividados e incluíram, nas reivindicações, a prorrogação de 12 meses das parcelas dos financiamentos.

Os manifestantes também tentam pressionar a presidente Dilma a sansionar as alterações na "Lei dos Caminhoneiros", já aprovada no Congresso, que amplia a jornada de trabalho para até 12 horas - oito horas mais quatro horas extras, e não duas horas extras, como em vigor.

"Se eu sou autônomo, deveria trabalhar quantas horas quisesse, a hora que quisesse", disse Otávio Mango, caminhoneiro que decidiu se juntar ao movimento em Palmeira das Missões (RS).

Segundo Odi Zani, um dos líderes no município, os caminhoneiros registram em média queda de 30% no faturamento mensal.

Autor: Folha de São Paulo

 
 
 
 
Dólar fecha semana em alta após declarações sobre juros nos EUA
leia mais
PIB do agronegócio cresceu 0,13% em janeiro, dizem a CNA e o Cepea
leia mais
Mercado aumenta previsão de inflação, baixa de PIB e vê mais juros
leia mais
FMI passa a ver contração de 1% do PIB do Brasil em 2015, com mais inflação
leia mais
Mudanças política e tributária tornam etanol mais vantajoso para nova safra
leia mais
Crise no Brasil vai piorar antes de melhorar, diz 'Financial Times'
leia mais
Intenção de consumo das famílias cai 11,9% em março, aponta CNC
leia mais
Mercado financeiro prevê PIB menor em 2015
leia mais
Esclarecimentos sobre a economia
leia mais
Alta da taxa Selic vai influenciar nas compras a prazo
leia mais
Novas regras do seguro-desemprego já estão valendo; entenda
leia mais
Inflação do aluguel perde força na 2ª prévia de fevereiro
leia mais
Veja quem deve declarar o Imposto de Renda 2015
leia mais
Analistas preveem PIB quase estável e inflação de 7% em 2015, diz BC
leia mais
São Paulo tem maior inflação entre capitais pesquisadas pela FGV
leia mais
Na estreia da equipe econômica, BC sobe juros a 12,25%, recorde em 3,5 anos
leia mais
Governo vai anunciar aumento de tributos nos próximos dias
leia mais
Após elevar tributos, Dilma veta correção da tabela do IR em 6,5%
leia mais
Dilma decide manter presidentes de Banco do Brasil, Caixa e BNDES
leia mais
Economia na região de Ribeirão seguirá fraca em 2015, diz estudo
leia mais
Inflação oficial fica acima da meta pelo 4º mês seguido, diz IBGE
leia mais
Real desvalorizado estimula venda de açúcar da nova safra, diz Copersucar
leia mais
Mercado eleva previsão para inflação e PIB neste ano
leia mais
Governo quer viabilizar produção de etanol de milho no Centro-Oeste
leia mais
Receita lança 'rascunho' para facilitar declaração do Imposto de Renda
leia mais