Empresários e sindicalistas criticam nova alta dos juros
05/03/2015
 
Associações empresariais e sindicatos de trabalhadores criticaram nesta quarta (4) o quarto aumento seguido dos juros pelo Banco Central. A taxa Selic, referência para os empréstimos do governo, subiu de 12,25% ao ano para 12,75% ao ano.

Para a Abad (Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados), o efeito da alta de juros continuará penalizando o setor produtivo e a população que "arcam praticamente sozinhos" com a responsabilidade de fazer o país voltar a investir, produzir e crescer. "Com a alta absurda dos preços de energia e de combustíveis, empresas e famílias já ficam naturalmente impedidas de maiores gastos, já que essas despesas são obrigatórias e vão consumir parte significativa da renda ou do capital disponível. Aumentar juros, nesse cenário, é inócuo e só piora a vida das pessoas e das empresas, aumentando o endividamento e a inadimplência", afirmou José do Egito Frota Lopes Filho, presidente da Abad.

Segundo a Fecomércio do Rio, o aumento do juros reduz ainda mais a confiança dos empresários e dos consumidores na economia. "O comércio apontou em 2014 o menor avanço em 12 anos. A confiança do setor de serviços é a menor em oito anos, enquanto pesquisa Fecomércio RJ/Ipsos revela os menores patamares para tomada de crédito e intenção de compra em cinco anos", afirmou a entidade, em nota.

A Força Sindical considerou "desastroso" o novo aumento dos juros. "Os insensíveis tecnocratas do Banco Central perderam, novamente, uma ótima oportunidade de afrouxar um pouco a corda que está estrangulando o setor produtivo, que é quem gera emprego e renda", afirmou, em nota.

Já Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) afirmou que o aumento dos juros é "incompatível" com o quadro de recessão da economia brasileira. "O alinhamento entre as políticas fiscal e monetária é fundamental para o controle da inflação, pois contribuiria para abreviar o ciclo atual de elevação das taxas de juros", afirmou, em nota.

Autor: Folha de S. Paulo

 
 
 
 
Veja as cidades que mais demitiram e as que mais contrataram em abril
leia mais
Com maior procura por vagas, salário em empregos com carteira assinada cai pela 1ª vez desde 2003
leia mais
Advogado cria solução caseira e economiza 300 litros de água no RJ
leia mais
Temor de colapso energético por falta de água aumenta procura por gerador
leia mais
Ministério Público pede suspensão da mistura de 27% de etanol na gasolina
leia mais
Guardar ao invés de consumir permite países crescerem, diz Levy
leia mais
Contas de luz sobem, em média, 23,4% no país a partir desta segunda
leia mais
Brasil deverá colher 201 milhões de toneladas de grãos em 2015, diz IBGE
leia mais
Combustíveis já sobem nesta semana
leia mais
Aneel autoriza Furnas a reforçar instalação de subestações de energia
leia mais
Gasolina pode subir mais de 8% com alta de tributo
leia mais
Número de imóveis financiados com recursos da poupança cresce só 1,6%
leia mais
Banco Mundial corta estimativa para crescimento global apesar de queda do petróleo
leia mais
Mercado reduz previsão para PIB e vê inflação em 6,56% em 2015
leia mais
Inflação vai `castigar economia` em 2015, diz Fecomercio-SP
leia mais
Com seca em SP, indústrias recorrem a 'rodízio' e piscina para estocar água
leia mais
Conta de luz já está 28% mais cara do que logo após MP para reduzir preços
leia mais
Pela 19ª semana seguida, mercado baixa previsão de alta do PIB de 2014
leia mais
Seca provoca queda na produção de café em propriedades de MG
leia mais
Confiança do consumidor de SP sobe em agosto, mas segue baixa
leia mais
Copa atrapalha comércio e indústria no 2º trimestre
leia mais
Em SP, estiagem prolongada afeta a safra da cana-de-açúcar
leia mais
Busca do consumidor por crédito cai 2,5% no semestre, diz Boa Vista SCPC
leia mais
BC prevê 14% de alta nos preços da energia elétrica neste ano
leia mais
Seca prejudica agricultura de SP e lavouras não se desenvolvem
leia mais