Brasil vai frear crescimento da América Latina em 2015, mostra FMI
14/04/2015
 
Enquanto a Europa se recupera da crise, a América Latina e o Caribe devem registrar, em 2015, o quinto ano seguido de desaceleração econômica. Segundo relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), o Produto Interno Bruto (PIB) do bloco deve crescer só 0,9% neste ano – enquanto a economia mundial deve se expandir em 3,5%. Para o Brasil, a previsão é de queda de 1% no PIB e de inflação em 7,8%.

Parte considerável do resultado fraco da região é responsabilidade do Brasil. Se confirmada a previsão do FMI de "encolhimento" da economia brasileira, será o pior resultado desde a queda de 4,2% registrada em 1990. Em janeiro, o fundo previa um crescimento de 0,3% em 2015.

Entre os países da América do Sul, apenas a Venezuela deve ter um resultado pior que o Brasil, com contração de 7% – mas a economia venezuelana tem menos de um décimo do tamanho da brasileira, em dólares.

A Argentina, que também vive uma crise econômica, deve ter queda de 0,3% no PIB. A América do Sul, como um todo, deve "encolher" 0,2%, tendo Bolívia e Paraguai como destaques positivos, com expansões de 4,3% e 4%, respectivamente.

"A piora nos mercados globais de commodities permanece como o principal freio para a atividade na América do Sul, ainda que os preços mais baixos do petróleo e uma recuperação sólida dos EUA forneçam impulso a partes da região", aponta o texto.

O Brasil
A crise hídrica, que afeta o abastecimento de energia e de água, está entre as causas citadas para o baixo desempenho do Brasil: "A confiança do setor privado se mantém obstinadamente fraca por conta dos desafios de competitividade, pelo risco de racionamento de energia e água no curto prazo e pelas denúncias de corrupção na Petrobras", diz o texto.

De acordo com o FMI, o compromisso do governo brasileiro de controlar o déficit fiscal e de reduzir a inflação vai ajudar a restabelecer a confiança no país, mas deve prejudicar ainda mais a demanda no curto prazo.

O fundo também alerta que a inflação deve ficar acima do teto da meta do governo neste ano, mas mostra mais otimismo que o mercado: a expectativa é que a inflação feche o ano em 7,8%, enquanto o mercado aposta em uma taxa de 8,13%, segundo o boletim Focus do Banco Central, divulgado na segunda-feira.

Crescimento global
O FMI manteve em 3,5% a projeção de crescimento para a economia mundial em 2015 e elevou para 3,8% a estimativa para o próximo ano – 0,1 ponto percentual acima da que constava no relatório de janeiro.

A expectativa é que o Brasil ajude no crescimento mundial do próximo ano: "Uma retomada nos mercados emergentes deve guiar a recuperação em 2016, primariamente refletindo uma diminuição parcial dos contratempos à demanda e produção domésticos em algumas economias, incluindo Brasil e Rússia", diz o fundo.

Outros países
A estimativa do FMI é que as economias avançadas cresçam 2,4% neste ano e no próximo. Mas as previsões para os Estados Unidos foram reduzidas: em janeiro, o fundo estimava uma expansão de 3,6%, que foi revisada agora para 3,1%. Para 2016, a estimativa de crescimento recuou de 3,3% para 3,1%.

Para os países do euro, por outro lado, as estimativas foram revisadas para cima. Para 2015, a previsão passou de 1,2% para 1,5%, e para 2016, de 1,4% para 1,6%.

Entre os países dos Brics, o pior resultado é esperado da Rússia, cuja economia deve se contrair em 3,8% neste ano e mais 1,1% no próximo. As projeções para a China são de desaceleração, com expansão de 6,8% em 2015 e 6,3% em 2016 – estáveis com relação ao esperado em janeiro.

Já a Índia deve liderar o crescimento global neste ano e no próximo, com duas expansões seguidas de 7,5% – mais de 1 ponto percentual acima das estimativas de janeiro.

Câmbio
As moedas dos grandes exportadores de petróleo com câmbio flutuante se desvalorizaram em fevereiro. A queda foi particularmente forte para o rublo (moeda russa), que recuou 30%, segundo o FMI. Entre as economias avançadas, o dólar canadense e a coroa norueguesa tiveram quedas de 8% e 7%, respectivamente.
No Brasil, a queda foi de 9%, refletindo a piora nas estimativas de crescimento. Na Índia, por outro lado, a moeda local teve valorização de quase 10%.

Autor: Do G1, em São Paulo

 
 
 
 
Dívida pública caiu 3,01% em abril, para R$ 2,79 trilhões, diz Tesouro
leia mais
Brasil deve cair para 8ª posição em ranking de maiores PIBs, mostra FMI
leia mais
País regride em avanço do poder de compra
leia mais
Mercado financeiro sobe para 8,2% a estimativa de inflação para 2015
leia mais
Pela 1ª vez, mercado financeiro prevê inflação acima de 8% em 2015
leia mais
Emprego na indústria recua 0,1% em janeiro, diz IBGE
leia mais
Economia brasileira encolheu 0,11% em janeiro, segundo o Banco Central
leia mais
Mercado sobe para 7,77% previsão de inflação deste ano e vê PIB menor
leia mais
Inflação em SP desacelera alta na última semana de fevereiro
leia mais
Receita começa hoje a receber declaração do Imposto de Renda 2015
leia mais
Prévia da inflação atinge 7,36% em 12 meses, maior nível em quase 10 anos
leia mais
Área agrícola irrigada cresceu menos no país no ano passado
leia mais
Entrega do Imposto de Renda 2015 começa em 2 de março
leia mais
O Grupo Bambozzi está presente mais uma vez no Show Rural Coopavel
leia mais
Confiança do consumidor atinge mínima histórica, aponta FGV
leia mais
Expectativa de inflação sobe com ajuste fiscal e é a maior desde 2003
leia mais
FMI reduz drasticamente projeção de crescimento do Brasil para 2015
leia mais
Nova exigência para pensão por morte começa a valer nesta quarta-feira
leia mais
Após freio em 2014, Caixa Econômica Federal estuda subir juro imobiliário
leia mais
Setor da cana pode perder até nove usinas em 2015
leia mais
Mercado baixa previsão para PIB e vê inflação no limite da meta em 2015
leia mais
Setor de máquinas do Brasil vê cenário de fraqueza no 1º semestre de 2015
leia mais
Desemprego tem a menor taxa para outubro desde 2002, diz IBGE
leia mais
'Prévia' do PIB aponta crescimento de 0,6% no terceiro trimestre
leia mais
Agronegócio pode ter fatia menor do PIB em 2015
leia mais