Indústria recua 0,8% em março, a menor taxa para o mês desde 2006
06/05/2015
 
RIO - A produção industrial caiu 0,8% em março, frente a fevereiro, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE. Foi a menor taxa para o mês de março desde 2006, quando a produção industrial caiu 1,3%. Também foi pior que o esperado por analistas, que projetavam recuo de 0,5%, segundo a Bloomberg. É o segundo mês seguido de queda na indústria, em relação ao mês anterior, após leve alta de 0,3% em janeiro.

Em relação a março de 2014, a queda foi de 3,5%, a maior nessa base de comparação desde 2012, quando a contração foi de 4,5%. Os economistas ouvidos pela Bloomberg esperavam queda de 2,9%.

Em fevereiro, a produção da indústria registrou perda pior que a anteriormente anunciada: o índice foi revisado de -0,9% para -1,3% frente ao mês anterior.

O desempenho de março sugere desaceleração na queda da indústria. O recuo na produção foi menos intenso que no mês de fevereiro tanto na comparação com o mês anterior quanto com igual mês do ano anterior.

O resultado acumulado em 12 meses, no entanto, vem em trajetória descendente desde março de 2014, quando tinha alta de 2,1%. Em 12 meses, a queda é 4,7%, a maior desde os 12 meses encerrados em janeiro de 2010 (-4,8%).

Já no primeiro trimestre do ano, a atividade na indústria recuou 5,9% em relação ao primeiro trimestre do ano passado.

— Os resultados negativos de fevereiro e março representam perda acumulada de 2,1%. Mais do que duas taxas negativas, o que se observa desde setembro é a predominância de taxas negativas. Há uma perda acumulada importante, de 5,1% desde setembro — afirmou o gerente da Coordenação de Indústria do IBGE, André Luiz Macedo.

PUBLICIDADE

A indústria automobilística, aponta Macedo, é a principal influência nesse desempenho da indústria nos útlimos seis meses, com recuo de 5,1%. Para se ter uma ideia, o segmento de veículos automotores acumula perda de 19,4% entre setembro e março.

— Muito da queda da indústria dos últimos seis meses tem a ver com a produção de automóveis, marcada pela redução de jornadas de trabalho e suspensões temporárias de contrato. É um quadro negativo que se vê há algum tempo — diz o gerente do IBGE.

Na comparação com igual mês do ano anterior, a indústria tem uma sequência de 13 taxas negativas seguidas.

FUMO SOBE NO MÊS, MAS CAI EM 6 MESES

Em março, todas as categorias de uso da indústria apontam perda da atividade na comparação com fevereiro, com março de 2014 e com o primeiro trimestre do ano passado.

O segmento de bens de capital — indicador de investimentos — teve a queda mais intensa: de 4,4% frente a fevereiro e de 12,4% em relação a março do ano passado. O setor de bens de consumo duráveis também teve recuo expressivo, de 3,1% em relação a fevereiro e de 6,6% frente a março de 2014.

A maioria dos ramos da indústria mostrou queda da produção em março. Na comparação com fevereiro, foram 14 dos 24 segmentos pesquisados. Frente a março, o recuo foi registrado em 16 dos 26 ramos industriais.

A indústria de alimentos, por sua vez, subiu 2,1% e foi a maior influência positiva para a indústria na passagem de fevereiro para março. Em seguida, o maior impacto foi a indústria de fumo, com alta de 26,8%.

André Macedo explica, no entanto, que essa alta da indústria de fumo é resultado de uma base de comparação baixa. O comportamento da indústria de fumo é predominantemente negativo nos últimos seis meses a despeito da alta de março — com queda de 47,9% —, tanto na matéria-prima quanto na produção de cigarros.

Com queda de 4,2%, a indústria de veículos automotores puxou o recuo de 0,8% da indústria na comparação com fevereiro. A segunda maior influência veio de máquinas e equipamentos, com perda de 3,8%, seguida por equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos, com queda de 8,1%.

Também na comparação com março foi o segmento de veículos automotores o maior responsável pela queda da indústria, com perda de 12,7% na produção.

Em seguida, as maiores influências vieram da produção de coque, derivados de petróleo e biocombustíveis (-9,8%) e de equipamentos de informática, produtos elétricos e ópticos (-22,7%). No lado oposto, quem ajudou a amenizar a queda foi a indústria extrativa — que inclui minério de ferro e petróleo —, com alta de 8,9%.

A indústria vem enfrentando dificuldades desde 2010, depois de ter se recuperado dos efeitos da crise econômica mundial de 2008 e 2009. A situação se agravou de meados de 2013 para cá. No ano passado, a produção industrial caiu 3,2%, após alta de 2,1% em 2013.

Autor: O Globo

 
 
 
 
Cuidado com as mídias sociais: seu futuro empregador está de olho
leia mais
Mais de 3,5 mil acreanos já caíram na malha fina do IRPF 2015, diz Receita
leia mais
Confiança da indústria atinge menor nível mensal desde outubro de 2005
leia mais
Vendas no varejo recuam 3,1% em fevereiro, a maior queda desde 2003
leia mais
Governo retoma PIS/Pasep e Cofins sobre ganhos de 80 mil empresas
leia mais
Veja 10 'bobagens' que contribuintes declaram no Imposto de Renda
leia mais
FMI diz que fraqueza do real é positiva para economia brasileira
leia mais
Comercialização de soja safra 14/15 chega a 60% em MT, diz Imea
leia mais
Receita começa a pagar restituições do Imposto de Renda em 15 de junho
leia mais
Inflação perde força na maioria das capitais, aponta FGV
leia mais
Em janeiro, IBGE prevê safra 4,4% maior que a de 2014
leia mais
Risco de faltar energia no SE e CO sobe para 7,3%, diz governo
leia mais
Criação de empregos formais cai 64% em 2014, para 396,9 mil vagas
leia mais
Produção de máquinas agrícolas caiu 17,9% em 2014
leia mais
Governo sobe IOF sobre crédito, tributos na importação e combustíveis
leia mais
Novas regras de benefícios vão afetar jovens e informais, diz economista
leia mais
Puxado por alimentos, IPC-S acelera na 1ª medição de dezembro
leia mais
IGP-M acelera alta a 0,98 em novembro, diz FGV
leia mais
Preço da energia sobe e pressiona inflação pelo IPC-S em novembro
leia mais
Cortes devem envolver redução de subsídios financeiros, diz Mantega
leia mais
Dólar cai mais de 3% ante real e volta a R$2,38, após eleições
leia mais
'Prévia do PIB' tem expansão de 1,5% em julho, maior alta mensal em 6 anos
leia mais
Indústria vive 'um dos piores momentos da história', diz CNI
leia mais
Faturamento dos pequenos negócios de SP cresce 0,8%, pior índice em 5 anos
leia mais
Agricultores de SP fazem festa para comemorar a safra da uva
leia mais