Brasil deve cair para 8ª posição em ranking de maiores PIBs, mostra FMI
19/05/2015
 
O Brasil deve perder mais uma posição no ranking das maiores economias do mundo este ano, segundo dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), e cair para o 8ª lugar. Depois de ser ultrapassado pelo Reino Unido em 2011, o país deve ser superado também pela Índia em 2015.

O ranking, feito pelo G1 com base no mais recente relatório "Perspectivas para a Economia Global", do FMI, leva em conta o tamanho do Produto Interno Bruto (PIB) de cada país – que mede a riqueza que foi produzida em determinado período. Esse valor é convertido em dólares, a partir das moedas locais.

A queda é resultado da contração esperada pelo fundo de 1% no PIB brasileiro em 2015, para US$ 1,9 trilhão – em 2014, esse valor foi estimado em US$ 2,3 trilhões. Enquanto isso, o crescimento esperado para a Índia este ano é de 7,5%, chegando a US$ 2,3 trilhões.

E o país não deve voltar a subir no ranking tão cedo: as previsões do FMI vão até 2020 e, até essa data, o Brasil deve seguir na 8ª posição.

Nas primeiras posições em 2015, aparecem os Estados Unidos – que pelo menos até 2020 não devem perder a liderança para a China–, com US$ 18,1 trilhões; China (US$ 11,2 trilhões); Japão (US$ 4,2 trilhões); Alemanha (US$ 2,8 trilhões); Reino Unido (US$ 2,8 trilhões); e França (US$ 2,4 trilhões).

Se confirmada a queda, o Brasil volta à posição que ocupava em 2009. Naquele ano, no entanto, era a Itália, e não a Índia, quem fazia companhia aos outros seis países à frente do Brasil.

Brasil já foi 6º da lista
De 2008 a 2011, o Brasil subiu uma posição por ano no ranking. A melhor posição no ranking do FMI obtida pelo Brasil foi em 2011, quando o país chegou a ser a sexta maior economia mundial, ultrapassando o Reino Unido. À época, o Brasil superou o PIB inglês em cerca de US$ 37 bilhões – atrás apenas dos EUA, China, Japão, Alemanha e França.

Mas os ingleses voltaram a superar o Brasil no ano seguinte. O país voltou à 7ª posição, mais por causa do câmbio do que pelo crescimento econômico. O PIB brasileiro cresceu 0,9%, mas o britânico avançou ainda menos: 0,2%. A diferença veio na conversão das moedas dos países para o dólar – que subiu mais de 9% frente ao real naquele ano.

O FMI chegou a prever que o Brasil voltaria à 6ª posição do ranking em 2013 – após ter caído para o 7º lugar em 2012, perdendo para o Reino Unido. Mas a previsão não se concretizou, e o país voltou ficou naquele patamar, onde está até o momento.

No ano passado, a Fundo estimava que o Brasil só chegaria à 8a posição em 2018, superado pela Índia, em franca expansão. Antecipou para 2015, portanto, o cenário que previa para apenas quatro anos depois.

Autor: Laura Naime e Tais Laporta | Do G1, em São Paulo

 
 
 
 
Dívida pública caiu 3,01% em abril, para R$ 2,79 trilhões, diz Tesouro
leia mais
País regride em avanço do poder de compra
leia mais
Brasil vai frear crescimento da América Latina em 2015, mostra FMI
leia mais
Mercado financeiro sobe para 8,2% a estimativa de inflação para 2015
leia mais
Pela 1ª vez, mercado financeiro prevê inflação acima de 8% em 2015
leia mais
Emprego na indústria recua 0,1% em janeiro, diz IBGE
leia mais
Economia brasileira encolheu 0,11% em janeiro, segundo o Banco Central
leia mais
Mercado sobe para 7,77% previsão de inflação deste ano e vê PIB menor
leia mais
Inflação em SP desacelera alta na última semana de fevereiro
leia mais
Receita começa hoje a receber declaração do Imposto de Renda 2015
leia mais
Prévia da inflação atinge 7,36% em 12 meses, maior nível em quase 10 anos
leia mais
Área agrícola irrigada cresceu menos no país no ano passado
leia mais
Entrega do Imposto de Renda 2015 começa em 2 de março
leia mais
O Grupo Bambozzi está presente mais uma vez no Show Rural Coopavel
leia mais
Confiança do consumidor atinge mínima histórica, aponta FGV
leia mais
Expectativa de inflação sobe com ajuste fiscal e é a maior desde 2003
leia mais
FMI reduz drasticamente projeção de crescimento do Brasil para 2015
leia mais
Nova exigência para pensão por morte começa a valer nesta quarta-feira
leia mais
Após freio em 2014, Caixa Econômica Federal estuda subir juro imobiliário
leia mais
Setor da cana pode perder até nove usinas em 2015
leia mais
Mercado baixa previsão para PIB e vê inflação no limite da meta em 2015
leia mais
Setor de máquinas do Brasil vê cenário de fraqueza no 1º semestre de 2015
leia mais
Desemprego tem a menor taxa para outubro desde 2002, diz IBGE
leia mais
'Prévia' do PIB aponta crescimento de 0,6% no terceiro trimestre
leia mais
Agronegócio pode ter fatia menor do PIB em 2015
leia mais