Poupança ainda ganha da renda fixa
10/10/2013
 
São Paulo - A elevação em 0,50 ponto porcentual da taxa básica de juros (Selic) - para 9,50% ao ano - manteve a atratividade da poupança na comparação com os fundos de renda fixa.
A simulação da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) mostra que os fundos de renda fixa só são vantajosos em aplicações de longo prazo e com taxas de administração reduzidas.

Segundo a instituição, as taxas de administração de 0,50% ao ano são oferecidas para um grupo seleto de investidores - aqueles cuja aplicação supera os R$ 50 mil. A maior parte dos investidores paga taxas acima de 1%, segundo a Anefac.

"A poupança continua atrativa mesmo com essa elevação dos juros. A sequência de alta até torna os fundos mais interessantes, mas esse patamar não foi suficiente para torná-los melhores do que a poupança", afirma Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor de Estudos Econômicos da Anefac.

Na simulação, com o novo patamar da Selic, a poupança rende ao ano 7,19%. Assim, um investimento de R$ 10 mil vai valer R$ 10.719 ao fim de 12 meses. Já um fundo de investimento com taxa de administração de 3% vai render 5,41% no mesmo período, totalizando R$ 10.541.

No fim de agosto, a Selic chegou a 9% ao ano, igualando os rendimentos das poupanças antiga e nova. Com a Selic maior do que 8,5%, ambas as cadernetas rendem 0,50% ao mês (6,17% ao ano) mais a variação da Taxa Referencial (TR).

Uma mudança significativa na relação de ganhos entre fundos e poupança só ocorreria com a Selic acima de 12,50% ao ano, segundo Oliveira. No caso do CDB, a aplicação só iguala a poupança se o investidor obtiver uma taxa de aproximadamente 85% do CDI.

Diversificação

Apesar da elevação da Selic, o ganho real nas aplicações continua baixo. Na avaliação do coordenador do Laboratório de Finanças do Insper, Michael Viriato, ainda vale a regra de apostar em opções variadas. "O investidor deve diversificar a carteira para buscar um investimento superior à inflação", afirma.

"Ele pode investir um pouco em ações, um pouco em títulos referenciados ao IPCA - que, embora tenham tido um rendimento muito baixo no passado, se tornaram mais vantajosos agora", afirma Viriato.

Para o consultor financeiro Mauro Calil, quem quiser optar por aplicações mais arrojadas deve focar no longo prazo. "Se a pessoa quiser ser mais agressiva, buscando ganhos de curtíssimo prazo, ela vai ter um risco muito grande. Agora, se ela estiver disposta a ter planejamento acima de dois anos, os fundos imobiliários e operações estruturadas com taxas de juros ainda são uma boa alternativa", diz.

"E, para quem tem mais de cinco anos, a Bolsa de Valores está num preço razoável." Neste ano, o índice Ibovespa recuou 13,79% até a quarta-feira, 9, e em 12 meses a queda é de 10,84%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Autor: Anna Carolina Papp e Luiz Guilherme Gerbelli | Estadão

 
 
 
 
Bovespa fecha no vermelho, após declarações sobre juros nos EUA
leia mais
Vendas no Dia do Consumidor somaram mais de R$ 200 milhões
leia mais
Governo ampliará a oferta de obras de geração de energia, diz ministro
leia mais
Medida 'acaba com o programa de desoneração da folha', diz Fiesp
leia mais
Agricultura puxa alta do PIB, mas infraestrutura limita crescimento
leia mais
Mercado prevê crescimento perto de zero e inflação acima de 7% em 2015
leia mais
Economia terá 'resultado negativo no curto prazo', diz Levy em Davos
leia mais
Inflação pelo IPC-S fecha 2014 em 6,87%; veja itens que mais pesaram
leia mais
Economistas elevam projeção para a Selic a 12,5% em 2015
leia mais
Reajuste da gasolina eleva também o preço do etanol, mas biocombustível ainda é mais vantajoso para o consumidor
leia mais
Produção de petróleo e gás natural bate novo recorde, diz ANP
leia mais
País tem 3,5 milhões de empresas inadimplentes
leia mais
Receita de serviços sobe 5,7% em junho, diz IBGE
leia mais
Previsão do PIB cai pela 12ª semana e fica em 0,79%, diz BC
leia mais
Preços em alta compensam menor produção de café arábica em MG
leia mais
Em MG, cooperativa aluga máquinas que agilizam a colheita do café
leia mais
Alimentos ficam mais baratos, e inflação em SP desacelera, diz Fipe
leia mais
SP: empresa é multada em R$ 1 bi por contaminar funcionários
leia mais
Inflação dos produtos de verão é de 8,61% em 1 ano, aponta FGV
leia mais
Agricultores de MT esperam preços melhores e seguram a venda da soja
leia mais
Emprego na indústria fica estável em novembro e indica queda para 2013
leia mais
Inflação oficial fecha 2013 em 5,91%, diz IBGEv
leia mais
Instituições financeiras estimam crescimento em 1,95%
leia mais
BNDES aprova R$ 603,9 mi para parques eólicos no RS
leia mais
Brasil vai crescer menos da metade dos emergentes em 2014, diz FMI
leia mais